Ventos fortes sacodem Salvador e ampliam os engarrafamentos

A madrugada de ontem assustou muitos soteropolitanos com ventos fortes que chegaram a 45 km por hora, melhorando no decorrer da manhã, atingindo 15 km/h, de acordo com o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), e chuva de 8,6 mm.

A cidade amanheceu com pelo menos oito semáforos quebrados, nas principais áreas, árvores caídas em alguns bairros, obrigando a suspensão de travessias marítimas e da faixa solidária na orla marítima.

-Publicidade-
-Publicidade-

A previsão é de que a partir de hoje o tempo melhore gradativamente  com períodos de abertura, segundo informou a meteorologista do Inmet, Marinês Cardoso, acrescentando que o motivo do frio e chuva é devido a “frente fria que está afastada do Oceano,  mas mesmo assim influencia”, explicou.

Cardoso disse ainda que  é época deste clima e a previsão de que chuvas mais fracas continuem ao longo do dia e o “mês de agosto sempre tem mais ressaca no litoral do estado”, declarou. A ressaca é o movimento anormal das ondas do mar sobre si mesmas na área de rebentação, causada por rápidas e violentas mudanças climáticas.

De acordo com a Superintendência de Trânsito e Transporte do Salvador (Transalvador), até o outdoor de boas-vindas a Salvador, localizado na saída do aeroporto internacional, não escapou dos ventos ( ‘Bem-Vindos a Salvador’) ficando destruído.

Duas árvores que caíram assustaram moradores,  como na rua Francisco Correia da Cunha, no bairro de São Caetano, atingindo uma casa, mas sem ferir ninguém e outra no Vale dos Rios. E na rua Miguel Canizares, próximo ao colégio Oficina, na Pituba, foi ameaça de desabamento, quando os galhos da árvore atingiram a fiação de um poste que ficou inclinado.

Durante a manhã toda técnicos da Transalvador trabalharam no conserto das sinaleiras quebradas. Já a travessia marítima do Sistema Salvador-Mar Grande foi  suspensa desde a tarde de quarta-feira, devido à predominância de fortes ventos e mar agitado na Baía de Todos os Santos. E o trânsito na capital fluiu lento devido aos problemas apresentados.

A faixa solidária, que compreende o trecho entre o Sesc-Piatã e o bairro da Boca do Rio,  criada com a intenção de estimular a carona solidária, foi também suspensa devido ao mau tempo, principalmente os fortes ventos.

Dados da Codesal, até o início da tarde de ontem, informaram a existência de oito solicitações sendo uma ameaça de deslizamento, uma árvore ameaçando cair, duas árvores caídas, deslizamento de terra , uma infiltração e duas orientação técnica.

Fonte: Tribuna da Bahia