Servidores públicos de Camaçari paralisam suas atividades por 48 horas

A população de Camaçari foi pega de surpresa, nesta terça-feira (12), com a paralisação de 48 horas dos servidores públicos municipais. Muitos setores importantes das secretarias municipais, como saúde e educação, estão com as suas atividades suspensas nesta terça e quarta-feira.
A nossa equipe de reportagem esteve, nesta manhã, visitando uma Unidade Básica de Saúde (UBS) e constatou a suspensão de todas as suas atividades. Além dos pacientes que estavam no local para realizar consultas, os servidores também foram surpreendidos com a notícia, através de uma Carta Aberta à População, divulgada pelo Sindicato dos Servidores Públicos de Camaçari (Sindsec), nas unidades. Os pacientes voltaram para casa frustrados, pois muitos estavam com consultas marcadas há 3 meses. “Gostaria que tivéssemos um atendimento melhor. Além da demora, temos essa paralisação para atrapalhar ainda mais a nossa vida”, disse uma paciente que preferiu não se identificar.

Carta Aberta à População divulgada pelo sindicato.
Carta Aberta à População divulgada pelo sindicato.
Pacientes da UBS voltando para casa, após receberem a informação que não haveria atendimento. Foto: Fernanda Melo.
Pacientes da UBS voltando para casa, após receberem a informação que não haveria atendimento. Foto: Fernanda Melo.

A decisão da paralisação foi tomada no último dia 05 de agosto, entre o sindicato e os servidores. Segundo o presidente da instituição, Sinval Cerqueira, somente 30% dos atendimentos essenciais, como as UPAs, Samu, hemodiálise e cemitérios de Vila de Abrantes e Gleba H, estão funcionando. Os demais, inclusive o da educação, aderiram à paralisação.

-Publicidade-
-Publicidade-
Somente 30% das atividades na área da saúde estão funcionando. A exemplo das emergências nas UPAs. Foto: Fernanda Melo.
Somente 30% das atividades na área da saúde estão funcionando. A exemplo das emergências nas UPAs. Foto: Fernanda Melo.
Emergência da UPA Nova Aliança está funcionando. Foto: Fernanda Melo.
Emergência da UPA Nova Aliança está funcionando. Foto: Fernanda Melo.

O objetivo do protesto é exigir do governo municipal a regulamentação e formalização da campanha salarial 2014, descumprida, até então, pela administração pública. Outras exigências, como policiamento ostensivo para as UPAs, licença prêmio dos aposentados ainda não pagos, a realização de concurso público para a guarda municipal, estão em pauta na negociação. Caso o governo não abra uma mesa de negociação, o Sindsec vai solicitar uma sessão especial na Câmara de Vereadores para o próximo dia 19, para debater os direitos dos servidores com um possível indicativo de greve.

Por Fernanda Melo