Viúva de Eduardo Campos proíbe TVs ligadas em casa

Em meio ao caos de uma tragédia, “Dona Renata”, viúva de Eduardo Campos, quase não fala. As poucas palavras traduzem o sofrimento pelo qual a família passa: “Eu penso que é um pesadelo”, disse à secretária de Cultura do Recife, Leda Alves, amiga íntima da família.

Familiares e amigos de Eduardo Campos reunidos no jardim da casa da família, em Recife. Dia de poucas palavras e muito apoio para a família Campos (Foto: Michele Souza/Estadão Conteúdo)
Familiares e amigos de Eduardo Campos reunidos no jardim da casa da família, em Recife. Dia de poucas palavras e muito apoio para a família Campos (Foto: Michele Souza/Estadão Conteúdo)

Junto com os cinco filhos e familiares, Renata Campos não quis ir a São Paulo acompanhar as buscas pelos corpos das sete vítimas do acidente com o Cessna Citation que caiu na manhã de quarta-feira, em Santos. A viúva pediu que todas as TVs da casa fossem desligadas. Amigos atestam sua serenidade em meio à dor, inclusive amamentando Miguel, caçula de sete meses.

-Publicidade-
-Publicidade-

Ao primo Joaquim Pinheiro, filho mais velho de Eduardo, João Campos, 20 anos, desabafou. “Perdi um pai e um líder, mas tem que se dar um jeito para que a bandeira dele não caia porque os ideais dele são o futuro do Brasil”.

O jovem é filiado ao PSB e cogitou se candidatar a deputado estadual neste ano. Mas o próprio pai o aconselhou a primeiro  terminar os estudos para depois decidir se seguia ou não a carreira política. João teria dito a Joaquim que deverá entrar para a política.

Segundo Pinheiro, João e a família vivem um clima de perplexidade, ainda sem entender o que aconteceu. “A família está procurando um ajudar aos outros para não perder o chão”, disse.

O prefeito do Recife, Geraldo Julio (PSB), que tem atuado como porta-voz da família do ex-governador Eduardo Campos (PSB), deixou a residência às 2h e retornou às 6h de ontem. “A família está muito abalada e este é um momento de estar próximo”, disse, ao reforçar não ser o momento ainda de discutir política.

longa noite Segundo o presidente do PSB pernambucano, Sileno Guedes, a primeira noite da família de Campos foi “muito longa e inacreditável”. “É um momento muito duro para todos nós, especialmente para a família, que vive um momento que jamais esperava”, disse.

Ex-motorista do ex-governador Miguel Arraes (PSB), que morreu há nove anos, no mesmo dia da morte do neto, 13 de agosto, Everaldo Procópio, 61, estava inconsolável. “Perdi o meu amigo, perdi um cabra que me adotou como filho, a quem devo tudo que tenho”, disse ele, que conheceu Campos no final década de 1980, quando Arraes voltou do exílio na Argélia.
A jornalista Cecília Ramos, viúva do assessor de imprensa Carlos Percol, que estava no mesmo avião que Eduardo Campos com mais cinco pessoas (ver boxe na página ao lado), se encontrou ontem com Renata para uma cerimônia religiosa na casa do ex-governador, em Recife.

A viúva de Percol foi cumprimentada por políticos e amigos da família Campos e chorava muito. Os dois se casaram há quatro meses. Ela havia se mudado para São Paulo há cerca de dez dias e, assim como o marido, trabalhava na campanha de Eduardo Campos.

Em uma entrevista emocionante, Cecilia deu a informação que o velório será no Palácio do Campo das Princesas, sede do governo de Pernambuco. Ela contou que o marido vivia os momentos mais felizes da vida dele, estava fazendo o que gostava, e que junto com Campos formavam uma dupla incansável, com muita confiança na conquista dos projetos.

“Mesmo assim não dormi um dia com o meu marido. A gente ia tentar se ver ontem”, disse. Segundo Cecilia, Percol estava muito feliz e não via nem ele nem Eduardo reclamarem de cansaço. “A missão era esta e eles estavam dispostos a cumprir. Foi a melhor pessoa que conheci na vida. Não havia tempo ruim para eles”, afirmou. “O que aconteceu mostra que a gente se comprometa para fazer o bem. Meu conforto é que ele estava tão feliz”.

abalada A ex-senadora Marina Silva, candidata a vice na chapa de Eduardo Campos, permanece em casa em luto ao lado de familiares. Segundo Pedro Ivo, integrante da Rede Sustentabilidade, amigo de Marina e coordenador das iniciativas de “mobilização” da campanha, Marina está acompanhada de duas filhas em sua residência, na Zona Sul de São Paulo, e não tem planos de deixar o local ao menos por hoje.

A filha de Marina Silva, Mayara Lima, relatou o sentimento de tristeza após a morte do candidato do PSB à Presidência da República, Eduardo Campos. “Não é um momento fácil para a minha mãe e toda a equipe, mas ela tenta se manter forte”, escreveu, em mensagem no Facebook.

homenagem Militantes da Juventude do PSB de São Paulo estão se reunindo nas ruas próximas ao local do acidente que matou o candidato do partido à Presidência, Eduardo Campos, com o objetivo de homenagear não apenas Campos, mas também as demais vítimas.

Fonte: Correio 24 Horas.