Polo de Camaçari contrata técnicos com salários de até R$ 10 mil

Foi-se o tempo em que o Polo Petroquímico de Camaçari era um grande empregador e concentrava a colocação dos sonhos de muitos baianos. Apesar de hoje ser chamado de Polo Industrial, ele já não é um grande empregador, pelo menos em termos de quantidade.

Polo de Camaçari contrata técnicos com salários de até R$ 10 mil  (Foto: Reprodução/Cofic)
Polo de Camaçari contrata técnicos com salários de até R$ 10 mil
(Foto: Reprodução/Cofic)

Mas, quando o assunto é qualidade, as vagas dali ainda são muito disputadas por quem deseja um bom salário e oportunidades de crescimento. O setor petroquímico na Bahia emprega atualmente cerca de 45 mil pessoas. Dessas, 15 mil são diretos e mais de 30 mil indiretos, sendo que 60% dos profissionais envolvidos se concentram nas áreas de operação e manutenção.

Como as necessidades aumentam e as vagas são poucas,  empresas do setor procuram empregados vindos de cursos técnicos. Um profissional com o perfil desejado por essas empresas pode chegar a ganhar até R$ 10 mil como salário inicial.

As formações mais requisitadas são Mecânica, Elétrica, Mecatrônica, Eletromecânica, Química, Automação e Controle, Operação de Processos Químicos e Petroquímicos e de Segurança do Trabalho.

Técnicos

Para a sócia da empresa de recursos humanos  People2People Rita Luciana Aguiar, sobram vagas nas áreas técnicas por conta de uma supervalorização dos cursos superiores.

“A oferta de técnicos diminuiu. Por isso, o salário aumenta e as empresas retêm os profissionais qualificados. Por falta de pessoas qualificadas, muitos dos negócios procuram por colaboradores que atuem no mesmo segmento. Quando não acham, acabam por selecionar talentos fora da Bahia. No caso de empresas que optam por aceitar membros sem experiência prévia, a opção é recorrer aos centros técnicos formadores ”, diz.

Perfil

A gerente da Braskem Kricia Galvão, responsável por Pessoas & Organização Vinílicos, afirma que 51% dos  colaboradores da empresa são técnicos. “São essas pessoas que fazem as coisas (da empresa) acontecerem. Por isso, estimulamos e capacitamos os funcionários para que eles adquiram o conhecimento tácito, aquele que o indivíduo adquire ao longo da vida, pela experiência”.

Já o gerente do Núcleo Estratégico do Senai da Bahia, Luis Alberto Brêda, ressalta que o domínio técnico é essencial, mas que é preciso ter noções de segurança, bom relacionamento, dentre outras competências,  para conseguir uma vaga na indústria petroquímica.

“Muitos cursos nascem em função da demanda da própria indústria. O diferencial (para o trabalhador), além dos conhecimentos técnicos, são, sobretudo, as competências e habilidades de relacionamento intrapessoal e liderança”.

Jovens devem apostar no Polo, diz vice-presidente da ACB

Em entrevista exclusiva para o CORREIO, o vice-presidente da Associação Comercial da Bahia (ACB), Adary Oliveira, afirma que o Polo Industrial de Camaçari, que responde por 20% do PIB estadual, apesar de enfrentar um período instável, deve ser almejado pelos profissionais do futuro. Confira os principais trechos da entrevista.

Brêda, do Senai-BA, explica o que as empresas querem do trabalhador (Foto: João Alvarez - Sistema Fieb)
Brêda, do Senai-BA, explica o que as empresas querem do trabalhador
(Foto: João Alvarez – Sistema Fieb)

Que análise você faz sobre a situação do Polo Industrial?

Hoje o Polo é o lugar de maior concentração de investimentos industriais no estado. São mais de US$ 16 bilhões de dólares em investimentos globais. Até 2015, o Polo deve ter novas inversões acima de US$ 6,2 bilhões de dólares.

Ele é de suma importância pois fabrica produtos intermediários e abastece as indústrias de bens e consumo e de transformação, sobretudo no Sul e Sudeste.  Temos  algumas questões que precisam ser acertadas. As empresas precisam melhorar sua competividade no mercado mundial.

Quais são as dificuldades enfrentadas?

O custo elevado da matéria- prima, sobretudo da nafta, principal insumo utilizado pela cadeia petroquímica nacional, é a principal dificuldade. O Brasil importa esse insumo porque o que se produz não é suficiente. Cerca de 40% da nafta é importada. Isso acaba por afetar no preço do petróleo, dentre outros fatores. Em outros países, como nos Estados Unidos, são usados outros insumos que barateiam o produto. Outra dificuldade é o alto preço da energia elétrica.

Quais são as perspectivas para o futuro do Polo Industrial?

Com a absorção de novas tecnologias e investimentos, alguns problemas devem ser resolvidos. Ainda assim, com a superação desses problemas, outros vão surgir. O tempo passa, as empresas buscam se tornar mais competitivas e questões sempre surgem. Os técnicos e administradores estão aí para isso: resolvê-los. Por isso, acredito que as empresas vão continuar a empregar. Jovens podem apostar no futuro do Polo porque o ambiente é acompanhado de bons salários.

Fonte: Correio 24 Horas