Eliana Calmon é contra criação do BOPE na Bahia

A candidata ao senado pela Bahia, Eliana Calmon, foi dura ao comentar a declaração de Rui Costa de que trará o BOPE para Bahia, caso seja eleito governador. “O Rio é um exemplo de que isto não resolve. Não se combate a insegurança com soldados. Combate-se com políticas públicas:  saúde e educação de qualidades e ações que elevem as condições de vida do povo”, rebateu Eliana.

Para a candidata, é indispensável a implantação do tempo integral nas escolas do estado e o desenvolvimento de estratégias que  aproximem as famílias dos alunos da rotina escolar. Eliana dá como exemplo o Piauí, que através desta estratégia reduziu o número de analfabetos no estado. “Estamos nos tornando reféns da insegurança. Não adianta ações de segurança como as que ocorrem no Rio de Janeiro se não forem adotadas, em paralelo, ações de políticas públicas eficazes. Nestes locais, o traficante ocupa o vácuo deixado pelo Estado, a partir do momento em que os serviços essenciais não são fornecidos”, criticou a candidata ao senado.

-Publicidade-
-Publicidade-

Outro argumento de defesa da educação integral apresentado por Eliana Calmon trata dos gastos públicos. “Uma criança na escola custa aos cofres públicos R$ 224 por mês, enquanto que um preso custa ao Estado R$ 1.840/mês. É óbvio que o investimento em educação é muito melhor”, recomenda.

Fonte: Ascom

comfiaço