Estreia da série “O Sexo e as Negas” divide opiniões

Em meio a polêmicas, estreou nesta terça-feira, 16, a nova série da Globo “O Sexo e as Negas”, de Miguel Falabella. Para alguns críticos de TV, a atração não rendeu o que se esperava ou o que foi prometido. Além disso, há os que consideram que o autor não conseguiu escapar do racismo e do machismo.

Na foto, Karin Hils, Corina Sabbas, Miguel Falabella, Claudia Jimenez, Maria Bia, e Lilian Valeska. Foto: TV Globo / Divulgação
Na foto, Karin Hils, Corina Sabbas, Miguel Falabella, Claudia Jimenez, Maria Bia, e Lilian Valeska. Foto: TV Globo / Divulgação

A sexualidade – ao mostrar mulheres sempre disponíveis para o sexo – também foi um ponto considerado exagerado, em especial para um primeiro capítulo.

-Publicidade-
-Publicidade-

Antes mesmo da estreia, a série vinha sendo alvo de críticas. Diversas organizações do movimento negro e de mulheres se manifestaram contra o seriado.

A Secretaria Especial da Promoção da Igualdade Racial (Seppir) chegou a informar que até o último dia 12 já havia 17 denúncias de racismo e o órgão precisou abrir uma investigação para apurar essas acusações.

O fato é que, mesmo sendo alvo de uma campanha na internet de boicote ao programa, “Sexo e as Negas” fez sucesso entre os internautas.

A hashtag com o nome da atração ficou entre assuntos mais comentados do Twitter. E como tudo que venha a ser exibido, agradou alguns e foi rejeitado por outros.

Fonte: A Tarde