Altos índices de homicídios e boatos na internet assustam moradores de Camaçari

Ainda estamos no décimo dia de outubro e Camaçari já registra um elevado índice de homicídios. Desde o primeiro dia do mês até ontem, dia 09 de outubro, o município registrou nove casos, uma média de um assassinato por dia. Mas, apesar do alto número, é preciso ficar atento aos boatos que estão sendo espalhados pelas redes sociais, principalmente pelo WhatsApp.

Vale observar que sete dos casos verídicos estão registrados no site da Secretaria de Segurança Pública da Bahia (SSP/BA), que divulga diariamente as ocorrências. É desconhecido o motivo que não existam os registros de mais outros dois homicídios. Um deles ocorreu no último sábado (04), quando o coordenador da Força Tarefa de Camaçari, José Carlos Santos de Souza, de 55 anos, foi brutalmente assassinado, dentro de um açougue, localizado no bairro da Gleba C. No domingo subsequente, houve um homicídio de um jovem no Phoc II. Ambos os crimes não estão registrados no site da SSP/BA.

-Publicidade-
-Publicidade-

Outro assassinato que chocou a população ocorreu na segunda-feira (06), quando um adolescente de 13 anos foi executado em via pública no bairro da Lama Preta.

A violência no município não tem dia, local, nem hora para acontecer. Nesta quarta-feira (08), um mototaxista foi executado, em plena luz do dia, na Avenida Sul, Inocoop. Já nesta quinta-feira (09), dois outros crimes ocorreram também durante o dia. Um foi registrado no centro da cidade, onde um jovem de 18 anos levou um tiro em um ponto de ônibus, chegando a óbito a caminho do hospital. O outro ocorreu no bairro da Gleba B, onde um pedreiro, após uma discussão, foi esfaqueado por um homem.

Crimes ocorridos nesta semana em Camaçari. Fotos: Everaldo Lins
Crimes ocorridos nesta semana em Camaçari. Fotos: Everaldo Lins

Vale ressaltar que, apesar dos crimes comprovados, os internautas estão sendo “bombardeados” com falsas informações, o que deixa a população ainda mais assustada. Vídeos e fotos estão sendo compartilhados via WhatsApp sem nenhum critério entre eles.  Algumas pessoas têm tentado espalhar terror entre os munícipes, se não bastassem os crimes que realmente vem ocorrendo na cidade.

A titular da 18ª Delegacia Territorial (DT), em Camaçari, delegada Thais Siqueira, investiga os responsáveis pela divulgação dos boatos espalhados via WhatsApp. O Grupo Especializado de Repressão aos Crimes por Meios Eletrônicos (GME) vai auxiliar a unidade nas ações para identificação e captura dessas pessoas, que serão responsabilizadas criminalmente. “Vamos apurar também qual é a intenção de quem dissemina falsas informações de assassinatos na cidade”, afirmou a delegada, que já tem alguns suspeitos identificados.

Fernanda Melo / Redação Nossa Metrópole