Novo exame de ebola vai ser divulgado hoje

O Ministério da Saúde vai divulgar hoje o resultado do segundo exame no sulafricano com suspeitas de ebola. A segunda amostra do sangue de Souleymane Bah foi colhida ontem. Até a confirmação do resultado, o Ministério da Saúde vai manter o protocolo de prevenção contra o ebola.

A segunda amostra foi colhida ontem e enviada ao Instituto Evandro Chagas, no Pará, responsável pelo primeiro teste. O estado clínico de Bah, de 47 anos, é considerado estável e não houve manifestação de sintomas.

O guineano está em “isolamento total” no Instituto Nacional de Infectologia Evandro Chagas, no Rio de Janeiro (RJ). Ele poderá ter alta hoje, caso o exame dê negativo. O protocolo citado pelo ministro significa manter o paciente isolado e monitorar quem teve contato com ele. O aparato será desarticulado se o novo teste não der positivo.

Segundo o Ministério da Saúde, o Brasil continua sendo um país com pouco risco de transmissão. Foi realizada uma reunião com o Ministério da Defesa sobre medidas preventivas à contaminação do ebola e, na próxima semana, haverá novos encontros com a Secretaria de Aviação Civil e o Ministério do Turismo.

No entanto, ainda não há previsão para ações em aeroportos e portos brasileiros. A doença já matou 4.033 pessoas, de acordo com balanço da Organização Mundial da Saúde (OMS) na sexta-feira. Ontem, os Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) dos Estados Unidos confirmaram o primeiro caso de ebola transmitido no país.

A paciente é uma profissional de saúde do Hospital Texas Health Presbyterian, em Dallas. Ela teve contato com o paciente liberiano Thomas Eric Duncan, que morreu na quarta-feira passada na instituição.

Na manhã deste domingo, o Hospital Texas Health Presbyterian já tinha divulgado que um teste preliminar da funcionária, que não teve seu nome identificado, deu positivo. Posteriormente, os CDC afirmaram que fariam um novo teste para confirmar o diagnóstico. O segundo teste também deu positivo, levando o órgão a confirmar a infecção.

Fonte: Correio 24 Horas