Polícia Federal deflagra em Camaçari operação contra pedofilia pela internet

A Polícia Federal deflagrou, nesta quarta-feira (15), em Camaçari e em mais dois municípios da Bahia, a operação Darknet, que consiste em investigar crimes de pedofilia contra a criança e o adolescente pela internet. Os agentes estiveram no bairro da Piaçaveira, em Camaçari para cumprir um dos mandatos de busca e apreensão. Segundo informações, os agentes efetuaram a apreensão de um notebook e um computador de um dos moradores do local e do filho dele sob suspeita de praticar o crime. Por causa do sigilo das investigações, nada foi divulgado.

Foto: Divulgação Polícia Federal
Foto: Divulgação Polícia Federal

Sobre a Operação:

A operação Darknet foi deflagrada na manhã desta quarta-feira (15), pela Polícia Federal (PF), em 18 estados do país. A ação cumpriu mandados de busca em três municípios baianos: Alagoinhas, Camaçari e Vitória da Conquista. Uma pessoa, cuja identidade não foi revelada, foi presa no estado, onde ainda foram cumpridos quatro mandados de busca e apreensão. A pessoa foi detida em Alagoinhas, localizada a 124 quilômetros de Salvador. O objetivo é confirmar a identidade dos suspeitos e buscar elementos que comprovem os crimes de armazenamento e divulgação de imagens e abuso sexual de crianças e adolescentes.

Operação da PF apura pedofilia em 18 estados e DF (Foto: Polícia Federal/Divulgação)
Operação da PF apura pedofilia em 18 estados e
DF (Foto: Polícia Federal/Divulgação)

O balanço final da operação aponta a prisão de 51 pessoas. Desse total, 50 prisões foram fruto de flagrantes realizados pelos policiais federais durante as buscas, além de uma prisão preventiva decretada pela justiça. No decorrer das investigações, que resultaram na ação desta quarta, outras quatro pessoas foram presas. Houve ainda o cumprimento de mais de 100 mandados de busca, de prisão e de condução coercitiva.

Participaram 44 unidades da PF nos estados do Amazonas, Amapá, Bahia, Ceará, Espírito Santo, Goiás, Minas Gerais, Pará, Pernambuco, Piauí, Paraná, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, Rondônia, Santa Catarina, São Paulo, Mato Grosso do Sul e no Distrito Federal. As informações obtidas durante as investigações que envolvem suspeitos de outros países foram repassadas para autoridades de Portugal, Itália, Colômbia, México, Venezuela.

Pela primeira vez em operações de combate à pornografia infantil, a Polícia Federal rastreou o ambiente conhecido como Deep Web , considerado um meio seguro para que usuários da internet divulguem anonimamente conteúdos variados. A arquitetura desse ambiente impossibilita a identificação do ponto de acesso (IP), ocultando o real usuário que acessa a rede. Através de metodologia de investigação inédita e ferramentas desenvolvidas, os policiais federais conseguiram quebrar esse paradigma e identificar, na Operação Darknet, mais de 90 usuários que compartilham pornografia infantil. Até o momento, somente as polícias dos Estados Unidos e da Inglaterra realizaram investigações de crimes praticados através da Deep Web.

No decorrer da investigação iniciada há um ano, pelo menos seis crianças foram resgatadas de situações de abuso ou do iminente estupro, em diversos locais do Brasil. Em um dos casos, um pai relatava que iria abusar da filha assim que ela nascesse. Nesses episódios, policiais federais agiram e evitaram que as crianças permanecessem ou se tornasse vítimas, prendendo quatro investigados.

Fernanda Melo / Redação Nossa Metrópole