Paramédico fuma antes de chamar ambulância e jovem morre

Um paramédico parece ter ignorado ou não reconhecido sintomas de meningite em uma adolescente de 13 anos e, calmamente, conversou com a mãe e fumou um cigarro antes de chamar a ambulância na cidade de Dersingham, Norfolk, em janeiro deste ano. A britânica teve duas paradas cardíacas no hospital e morreu 4 dias após o incidente. As informações são do Daily Mail.

Adolescente morreu em fevereiro deste ano após meningite e duas paradas cardíacas Foto: Daily Mail / Reprodução
Adolescente morreu em fevereiro deste ano após meningite e duas paradas cardíacas
Foto: Daily Mail / Reprodução

Segundo a mãe, o socorrista chegou em sua casa menos de 5 minutos após o chamado, mas ignorou manchas vermelhas, dor na garganta e convulsão anterior da filha, achando que fosse apenas um “jeito de chamar a atenção”. Durante o socorro, que aconteceu no dia 31 de janeiro deste ano, o profissional de saúde ficou sabendo que Stephanie Sanpher teria brigado com um colega na escola pela manhã e considerou que ela poderia estar apenas chateada. A mãe mostrou algumas manchas vermelhas pelo corpo da filha, que estava consciente, mas nada foi realizado.

-Publicidade-
-Publicidade-

De acordo com a publicação, o homem fumou um cigarro e usou o telefone da família para chamar a ambulância – 40 minutos depois de ter chegado ao local. Stephanie foi encaminhada para o hospital Queen Elizabeth, em Kings Lynn, e morreu quatro dias depois, já no hospital Addenbrooke, em Cambridge, para onde havia sido transferida. A adolescente teria sofrido duas paradas cardíacas durante o tratamento. Em seu obituário, a causa da morte foi apontada como natural por complicações de uma meningite.

A mãe da jovem tentou conseguir a demissão do paramédico, mas ele foi descrito como “bom profissional” e foi considerado que tenha feito “de tudo para acalmar a ansiedade da família”. Como medida preventiva, a legista de Norfolk, Jacqueline Lake, recomendou nesta terça-feira que todas as equipes de trabalho das ambulâncias testem com mais frequência a possibilidade de meningite e que recebam cursos de atualização sobre a doença.

Fonte: Terra