Animais circulam livremente pelas ruas de Camaçari e causam perigo no trânsito

Não é difícil encontrar animais, principalmente os de grande porte, circulando livremente pelas ruas de Camaçari. Seja nas vias que dão acesso às empresas do Polo Industrial, como já denunciado pela nossa redação, ou nas vias urbanas, a circulação dos animais tem causado apreensão tanto para os condutores de veículos, quanto para os pedestres.

Um leitor registrou, na tarde desta terça-feira (18), três cavalos circulando nas imediações da Praça dos 46. Ele enviou, via WhatsApp, algumas fotos, onde nota-se que não existe nenhuma pessoa cuidando dos animais, um grande risco que poderia ter causado acidente na via.

-Publicidade-
-Publicidade-

1662575_599939590132828_5538386511173052222_n 10805638_599939563466164_6614545782460952836_n

Além de incomodar moradores da área urbana, os animais oferecem perigo às pessoas que transitam, sejam pedestres ou condutores de veículos automotores em vias públicas. Segundo as autoridades, a responsabilidade por danos causados por animais soltos é do proprietário do animal, assim como pode responder criminalmente se um acidente com vítimas for decorrido dessa natureza.

O coordenador da Defesa Civil de Camaçari, Maurício Bonfim, informou que, caso alguém presencie animais nas vias públicas, deve entrar em contato com o órgão através do telefone 199. A ligação é gratuita e atende 24 horas por dia. Ainda de acordo com ele, neste ano, a Defesa Civil já retirou das ruas mais de 900 animais, uma média de 3 a 4 por dia. A multa para o dono do animal que for encontrado circulando pelas vias da cidade é de R$ 49,90. “Esta multa já foi revisada. No município, foi aprovada uma nova lei com um valor mais pesado. Faltam agora algumas leis complementares para sancioná-la”, disse o coordenador que acredita que o valor atual é muito baixo, o que ocasiona um descaso por parte dos proprietários dos animais.

Há alguns dias, outro leitor enviou via WhatsApp fotos do gado circulando pelas vias do Polo Industrial. Segundo relato, esta cena é frequente.

01 02 03

Fernanda Melo / Redação Nossa Metrópole