Restrições para visitantes em Praia do Forte geram polêmica

Quem resolveu visitar Praia do Forte (Mata de São João, Grande Salvador) neste domingo (28), no segundo fim de semana do verão, foi obrigado a enfrentar uma longa fila de carros para chegar à vila.

Agora, para ter acesso ao local os motoristas precisam passar por uma triagem e, caso sejam turistas, estacionar em uma área privada logo na chegada.

Conforme A TARDE antecipou na última quarta-feira, 24, a medida é adotada para ordenar o trânsito na alta estação, sempre que as vagas internas na vila acabam, mas a iniciativa do poder público local tem dividido a opinião de moradores, comerciantes e, sobretudo, dos visitantes.

A medida foi adotada com o objetivo de ordenar o trânsito na região na alta estação
A medida foi adotada com o objetivo de ordenar o trânsito na região na alta estação

Queixas
A principal queixa entre eles é de que não houve um plano de comunicação prévio para alertar os turistas sobre as restrições de estacionamento, que na entrada custa R$ 20 por dia, enquanto a estrutura da vila – administrada pela prefeitura – cobra R$ 6, por seis horas.

Soteropolitano, morador de São Paulo, o empresário Gabriel Lopes, 26 anos, disse ter sido pego de surpresa com a cobrança do estacionamento, que dá direito à translado, devido à distância até a vila.

“Viemos assistir à missa. Nem vamos ficar o dia todo, mas tivemos que pagar R$ 20”, reclamou ele, ao lado da namorada, a administradora Camila Gedeon, 28 anos. “Vários amigos meus estão voltando por causa da fila gigantesca”, frisou ele, que veraneia em Itacimirim.

É justamente o receio de perder visitantes para a farta variedade de destinos turísticos próximos à Praia do Forte que assusta os comerciantes locais.

“O problema não é o estacionamento na entrada, mas a falta de comunicação, de sinalização, de orientação para a guarda municipal atender bem ao visitante”, pontuou o comerciante Flávio Soares, 41 anos. “Quem vive do turismo sabe que o turista satisfeito faz propaganda e volta”, completou.

Para o guia turístico Gustavo Farias, 39 anos, o ordenamento é necessário para evitar o caos no trânsito. “Já houve muita discussão no trânsito porque não há espaço para circular muitos carros. Para a gente que trabalha aqui dentro, tem sido bom”, avaliou.

Há também as vagas gratuitas de estacionamento no interior da vila, mas, para garantir uma delas sem ter que pagar, é preciso chegar cedo. Neste domingo, 28, por volta das 9h, já não havia mais disponibilidade para estacionar próximo à praia, tanto nas vagas gratuitas quanto nas pagas.

Para a restrição não atingir quem não é um visitante esporádico, a prefeitura distribuiu 5.500 de acesso à vila para moradores, convidados e veranistas. Além disso, o turista que comprova hospedagem é isento da cobrança.

Fonte: A Tarde