800 mil pessoas saem às ruas em protesto contra jornal Charlie Hebdo

Cerca de 800 mil pessoas participaram de um ato na cidade de Grozni, capital da Chechênia, para protestar contra a publicação de caricaturas do profeta Maomé no jornal francês Charlie Hebdo, onde 12 pessoas foram mortas. Os manifestantes lotaram a praça central na segunda-feira (19) com cartazes escritos com mensagens de amor ao profeta e aos gritos de gritos de “Allah Akhbar” (Alá é grande).

O protesto foi organizado pelo líder da república russa do Cáucaso, de população muçulmana, Ramzan Kadyrov. O protesto, segundo Jaron Torjoev, que integra a organização, teve a intenção de afirmar que “o Islã é uma religião de paz e manifestar nossa indignação com aqueles que seguem ignorando os sentimentos religiosos dos muçulmanos”.

Praça central da capital da Chechênia ficou lotada de manifestantes contra o jornal francês Charlie Hebdo (Foto: Yelena Fitkulina/AFP)
Praça central da capital da Chechênia ficou lotada de manifestantes contra o jornal francês Charlie Hebdo
(Foto: Yelena Fitkulina/AFP)

Ontem, outro ato contra as publicações aconteceu no Afeganistão e reuniu 600 pessoas. “Queremos o fechamento da embaixada francesa em Cabul. A França deve se desculpar com os países muçulmanos”, disse Matiulah Ahmadzai, um dos organizadores.

Fonte: Correio 24 Horas