Baianos estão inquietos com aumento da gasolina

Se o aumento de alguns impostos como o IPTU, do preço da conta de energia elétrica e do material escolar já tiravam o sono do consumidor baiano, mais um aumento vem aí para deixar ainda mais preocupados com o bolso a população de Salvador. É que, a partir do dia 1º de fevereiro, o preço do combustível nos postos vai subir ainda mais. O valor do litro da gasolina, por exemplo, pode ultrapassar os R$ 3,50 nas bombas.

“Esse valor, além dos R$ 0,22 que já tinham sido anunciados pelo Ministro da Fazenda Joaquim Levy, incidem no aumento desse valor o ICMS, que aqui na Bahia é de 27%, e o aumento do índice de álcool anidro na gasolina, que vai aumentar 2% em cima 25% que existe atualmente. Aliado a isso, o fato que muitas distribuidoras já não tem mais combustível para vender”, justificou José Augusto Costa, presidente do Sindicato do Comércio de Combustíveis, Energias Alternativas e Lojas de Conveniência do Estado da Bahia (Sindicombustíveis).

-Publicidade-
-Publicidade-

De acordo com ele e com alguns gerentes de postos de combustível, o valor registrado em algumas bombas na semana passada, quando o preço do litro da gasolina chegou a custar R$ 2,79, foi nada mais do que uma promoção para atrair os consumidores. “Voltamos ao preço atual por que não tinha mais pra onde correr. Esperamos que o repasse, na próxima semana, não seja tão pesado por parte das distribuidoras”, disse em tom de preocupação, Wellington Carvalho, gerente de um posto na Rua Djalma Dutra. “Para o preço ficar do jeito que está, ou o governo dá um subsídio para segurar o imposto ou simplesmente adia o repasse do aumento pra gente. Se não vamos ter que passar isso para o consumidor”, completou.

De fato, o preço dos combustíveis, nesta semana, voltou a ser o mesmo do que era praticado há alguns meses na capital baiana. A equipe da Tribuna da Bahia percorreu algumas ruas da cidade e pode constatar que os valores de alguns postos estão até semelhantes. Em um deles, na rua Djalma Dutra, o litro da gasolina custa R$ 3,24 e o álcool, R$ 2,54. Em outro posto próximo a ladeira dos Galés, em Brotas, o etanol estava a R$ 2,56, o litro. A gasolina comum estava a R$ 3,26 no mesmo local. Já em um posto BR, também na Djalma Dutra, foi onde o preço da gasolina estava mais caro: R$ 3,29.

A preocupação dos donos de postos, agora, é com a queda no movimento nos postos. “A gente já havia sentido uma baixa aqui no nosso posto já na semana passada. Agora, com esse aumento, estamos ainda mais preocupados”, salientou Carvalho. Já o presidente do Sindicombustíveis procurou minimizar a situação. “No começo até pode acontecer. O motorista vai querer encher o tanque do carro, até o este sábado, aproveitando o preço antigo e vai continuar rodando. Mas quem precisa usar o carro para trabalhar, por exemplo, ou levar os filhos na escola, não vai ter opção e vai ter que abastecer seu veículo. Os preços tendem a ficar bastante parecidos, mas cada dono tem a liberdade de colocar o preço que considerar mais justo”, falou Costa.

Aperto no orçamento
Nas ruas, os motoristas não gostaram de saber de mais um aumento no preço dos combustíveis e já prevêem mais gastos e aperto no orçamento. “Eu que rodo todo o dia pela cidade, acabo colocando R$ 20 em cada posto que paro. No final, a depender do dia, gasto mais de R$ 100 por dia. É claro que vai pesar muito no bolso esse aumento. E o problema maior é que a gente nunca sabe o aumento real das coisas”, reclamou o taxista, Antônio Jorge.

“Eu já achava o preço atual muito alto e pra encher o tanque já estava difícil. Agora, então, ficou mais complicado ainda. Com certeza o bolso do trabalhador é quem mais vai sentir esse acréscimo agora em fevereiro. Já o salário mínimo, que deveria aumentar para dar uma vida melhor pra gente, simplesmente ninguém dá jeito de fazer”, criticou Gilberto Lima, que trabalha como motorista particular.

O Sindicato das Distribuidoras de Combustíveis do Estado da Bahia realiza na próxima segunda-feira, no auditório da Casa do Comércio, seminário para discutir os efeitos das medidas.

Fonte: Tribuna da Bahia