Calor aumenta risco de doenças de pele em crianças

Verão é sinônimo de sol, praia e muito calor. O aumento da temperatura e as férias escolares convidam para uma vida ao ar livre, sendo comuns as viagens para locais ensolarados. Seja qual for o destino, com o aumento da exposição ao sol, a sudorese aumenta e a pele tende a ressecar, gerando brotoejas, coceiras, assaduras e micoses, que  embora não sejam alérgicas, também incomodam  muito, tanto crianças como adultos.
“O principal sintoma que merece a atenção dos pais é a coceira no corpo”, alerta a pediatra alergologista do Hospital Santa Izabel, Denise Lessa. “A recomendação é evitar coçar muito a região para não causar lesões e infecções”, alerta.
As causas da coceira podem ser alergias, brotoejas, picadas de inseto, dermatite atópica e até mesmo o ressecamento da pele. De acordo com a médica, após observarem que a criança está com coceira, os pais devem procurar imediatamente a orientação de um médico de confiança, para evitar complicações como lesões na pele e até processo infeccioso.
Cuidados – Algumas medidas simples podem ser tomadas para proteger a pele das crianças durante o verão, como por exemplo, o uso de um protetor solar seguro e hipoalergênico; a hidratação caprichada, com uma alimentação saudável, rica em frutas e legumes; o uso de roupas com tecidos leves e de algodão, evitando tecidos sintéticos e roupas muito justas; além de não tomar banhos muito quentes e nem longos, para não prejudicar a camada protetora da pele.
“É importante usar sabonetes neutros durante o banho, próprios para peles sensíveis, além de repelentes de insetos hipoalergênicos. Há ainda alternativas naturais como o uso de cremes com andiroba, velas de citronela e telas nas janelas, para evitar as picadas de insetos”, completa a médica.