Pedalar diariamente reduz o risco de várias doenças

Pedalar diariamente reduz o risco de doenças como diabetes, ataque cardíaco, problemas de pressão, pneumonia, asma e muitas outras, além de reduzir o stress. Você pode conferir a matéria abaixo na nova edição da revista Nossa Metrópole – edição de fevereiro.

Escolhida pela ONU (Organização das Nações Unidas) como o meio de transporte mais ecológico do planeta, a bicicleta pode ser uma alternativa sustentável para ir trabalhar, estudar ou até uma forma de lazer agradável de final de semana.

No Brasil, a utilização da bike tem se tornado cada vez mais comum. Segundo levantamento do IPEA (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada), aproximadamente 7% da população brasileira utiliza a bicicleta como meio de transporte principal. Tendo em vista essa tendência, em 2014 a prefeitura de São Paulo colocou em prática o plano de aumentar a quilometragem de ciclovias na cidade, fechando o ano com mais de 100km implantados. Hoje, a capital paulista conta com mais de 200km de ciclovias e a meta é atingir 400km até o fim de 2015.

EM CAMAÇARI

Em setembro de 2014, foi inaugurada em Camaçari a nova via de acesso ao centro da cidade, através da Via Parafuso. A via trouxe a implantação de uma ciclovia de 1,5km, com iluminação branca, sinalização horizontal e vertical. Segundo informações da prefeitura, a nova via faz parte do programa de urbanização do Rio Camaçari, que também inclui a construção de pontes em diversas partes da cidade – como as regiões de Phoc II e Burrissatuba -, todas com ciclovias.

030713030744 Li4vLi4vLi4vaW1hZ2VzL3N0b3JpZXMvbmFjaW9uYWwyLzE2MTAxNDAzMTAwOC5qcGcmYW1wO3c9OTAwJmFtcDtoPTYwMCZhbXA7cT05MCZhbXA7emM9MA==

Além de ser uma forma de melhorar a mobilidade urbana, a bicicleta não consome combustíveis e, consequentemente, não gera poluentes. Por ser um veículo pequeno, exige menos estruturas – implicando em menos obras e menos desmatamento – para atendê-lo e possui uma mecânica simples, o que reduz a necessidade de recursos na produção de peças. Na hora de se desfazer, a bike não exige grandes espaços, o que torna o processo de reciclagem mais econômico.

Mais que reduzir os impactos negativos no meio ambiente, estudos comprovam que adotar a bicicleta como meio de transporte traz uma melhora significativa para a saúde. Segundo pesquisa do Laboratório de Poluição Atmosférica da Faculdade de Medicina da USP, baseada em índices da Organização Mundial de Saúde (OMS), a chance de um indivíduo morrer de doença cardiorrespiratória na região metropolitana de São Paulo é atualmente de 10,9%. Sem as emissões de gás carbônico liberadas por carros, a porcentagem cairia para 2,4%.

Pedalar diariamente também reduz o risco de doenças como diabetes, ataque cardíaco, problemas de pressão, pneumonia, asma e muitas outras, além de reduzir o stress que é um mal tão comum na vida de muitos indivíduos.

EM SALVADOR

O Movimento Salvador Vai de Bike, lançado pela prefeitura em setembro de 2013, engloba um conjunto de ações integradas – dentre elas a instalação de estações de bicicleta e a ampliação e requalificação da infraestrutura cicloviária da cidade – que incentivam o uso da bicicleta na capital soteropolitana, visando melhorar a mobilidade urbana e a qualidade de vida. Segundo a prefeitura, a meta é atingir 350 quilômetros de ciclovias até 2016 e impulsionar o uso da bicicleta como meio de transporte alternativo.

Veja a seguir algumas dicas para quem pensa em aderir a bicicleta no dia a dia:

1 – Utilize o equipamento correto. Luvas, capacetes e sinalizadores são imprescindíveis.
2 – Ande no fluxo do trânsito. Andar na contramão pode acarretar em acidentes sérios.
3 – Ocupe seu espaço e não ande muito colado a calçada.
4 – Use sinais. Pedestres e motoristas precisam saber qual será sua próxima ação. Para isso, indique todos seus movimentos com as mãos e sinalizadores.
5 – Estude as leis de trânsito e conheça o percurso que irá fazer antes de sair de casa.
6 – Mantenha distância. Quanto mais longe você ficar dos carros, menor a chance de acidentes.
7 – Caso você tenha restrições de saúde ou não pratique exercícios regularmente, procure um médico antes de pensar em subir na bike.

Por Agência Abaporu – www.abaporubrasil.com.br