Peixes aparecem mortos na Estação de Tratamento de Esgoto

Mais uma vez, os moradores da Rua da Paz, em Mata de São João, estão enfrentando problemas com a Estação de Tratamento de Esgoto (ETE) da Embasa. Na manhã desta segunda-feira, milhares de peixes apareceram mortos nos tanques da estação e o mau cheiro aos poucos se espalha pela comunidade.

peixe-mortos-ete-estacao-de-tratamento-550x300

Uma equipe da Embasa está no local realizando a remoção da imensa camada de limo (colônia de algas que se acumula em superfície úmida formando uma camada esverdeada) que se formou na piscina de tratamento e provavelmente ocasionou a morte dos peixes. “Quando tem camada de algas, diminui a oxigenação, os peixes ficam sufocados e morrem, isso significa que existe muito material orgânico”, explicou o biólogo Marcos Vinícius Carvalho.

Urubus estão se espalhando pelo local por causa do forte odor. “O fedor está horrível e os mosquitos estão invadindo as casas desde o sábado.”, queixou-se o morador Carlos Eduardo Reis.

ete-estacao-de-tratamento peixes-mortos

Essa não é a primeira vez que a comunidade enfrenta problemas com a ETE. Em fevereiro, os moradores chegaram a realizar um protesto pedindo uma solução por parte da Embasa. No início deste mês o Mais Região chegou a denunciar o problema, esclarecendo que por falhas na Estação de Tratamento, o rio corre o risco de poluição.

Para o biólogo, o sistema de decantação foi construído nos moldes corretos, no entanto existe alguma falha no processo e quem está sofrendo as consequências é o rio Jacuípe, uma Área de Proteção Permanente (APP). “Verificamos uma concentração muito grande de algas, a lagoa sofre com a eutrofização [alto índice de nutriente e aumento excessivo de algas], inclusive verificamos isso com a morte de peixes”, afirma.

Ainda de acordo com Carvalho, “os agentes poluentes continuam [mesmo após os resíduos passarem pela Estação de Tratamento] e provavelmente estão sendo desaguados no rio Jacuípe, e além de contaminar a água pode atrair vetores de doenças diversas.”

Fonte: Mais Região