Equoterapia atende crianças deficientes no Parque de Exposições

Mais de 500 crianças com necessidades especiais já são atendidas gratuitamente no Centro Integrado de Equoterapia, no Parque de Exposições de Salvador. O espaço é resultado de um convênio entre a Secretaria da Segurança Pública, por meio da Polícia Militar, a Secretaria de Agricultura (Seagri), a Associação Baiana de Equoterapia (Abae) e a Associação Baiana de Criadores de Cavalos de Passeio e Esporte (ABCCPE), com o objetivo de promover inclusão social.

Centro de Equoterapia

“Contribuímos com todo o apoio logístico e de manutenção dos animais que participam do projeto. Temos os cuidados de limpeza, de alimentação e com os veterinários. Além disso, conduzimos os cavalos para outros locais, que realizam outros atendimentos de equoterapia”, explicou o major PM Aloísio Herwans, do Esquadrão de Polícia Montada.

Segundo Fábio Cedraz, diretor de Pecuária da Seagri ,“é uma questão de envolvimento social”, observando que “hoje temos um Parque de Exposições bem estruturado, que estamos cedendo para o desenvolvimento do centro”. Ressaltou ser necessária uma atenção especial para o público com necessidades especiais. “Já estudamos a ampliação do projeto para outras cidades baianas”, acrescentou.

Na manhã desta quinta-feira (16), foram realizadas atividades de montaria em cavalos. Portador de um doença neurológica, Miguel Feitosa, 9 anos, foi um dos participantes do exercício e, de acordo com a sua mãe, Inaci de Fátima Feitosa, o tratamento trouxe benefícios para ele. “Antes, Miguel era bastante agitado, a gente falava e ele não dava atenção e, em alguns casos, nem reagia. Depois que começou a frequentar a equoterapia, melhorou muito. Seu comportamento na escola é sempre 10. Passou a interagir melhor com todos”, enfatizou.

Para a presidente da Associação Baiana de Equoterapia, Maria Cristina Guimarães Brito, os exercícios com cavalos são fundamentais para a evolução da criança portadora de deficiência, trazendo resultados motores muito importantes. “O corpo de uma criança em cima de um cavalo conta com 1800 estímulos por segundo a cada passo do animal. Levados ao sistema nervoso central, os estímulos dão os ajustes neuropsicomotores”, ressaltou.

Outro beneficiado do centro, Yuri Guimarães, 34 anos, portador de paralisia cerebral, contou que as sessões semanais estão lhe ajudando na superação das limitações. “A falta de oxigênio na hora do parto provocou o atraso do meu desenvolvimento. Não conseguia andar e, quando tentava, caía. Depois, fui conseguindo me superar. Hoje, sou publicitário, tenho pós-graduação e já trabalhei, inclusive, na Petrobras”, relatou.

Os praticantes do Centro de Equoterapia dispõem de acompanhamento interdisciplinar, com psicólogos, educadores físicos, terapeutas ocupacionais, pedagogos, fonoaudiólogos e auxiliares. Atividades lúdicas são realizadas para a inclusão social, com destaques para o vídeo-game. O modelo Xbox 360, por exemplo, é utilizado pelas crianças para o desenvolvimento psíquico e de coordenação motora.

Com o apoio da PM, por meio do Esquadrão de Polícia Montada, crianças com necessidades especiais são atendidas gratuitamente no Centro de Equoterapia.

Fonte: SSP/BA