Carta Aberta do presidente do Sindicato dos Metalúrgicos aos trabalhadores do Brasil

O presidente do Sindicato dos Metalúrgicos de Camaçari, Júlio Bonfim, divulgou uma carta aberta aos trabalhadores do Brasil, comentando sobre a atual situação que o país está passando, a exemplo do Ajuste Fiscal e Fator Previdenciário.

Segue carta na íntegra:

Carta aberta aos trabalhadores do Brasil

Por Júlio Bonfim Costa Filho, Presidente do Sindicato dos Metalúrgicos de Camaçari

“O Brasil precisa superar um cenário político de extrema contradição por parte do governo federal. Esse é um debate que temos travado no movimento sindical e que toma cada vez mais corpo entre os trabalhadores no chão de fábrica. É o jogo político onde se fala uma coisa e se faz outra. O governo tem entrado em graves contradições ao defender posições que, antes de chegar ao poder, reprovava. Exemplo disso é a questão do Fator Previdenciário, criação do governo de FHC. Quando estava na condição de oposição, o grupo político que atualmente ocupa o poder, era contra o Fator Previdenciário. Mas, depois mudou o discurso e passou a apoiar a manutenção do Fator. Esse mesmo Fator, que, segundo eles, massacrava o trabalhador.

Não podemos admitir esse tipo de posição. Não se pode ter dois lados. Os trabalhadores elegeram esse projeto político para defendê-los, para avançar nas lutas sociais, e não permitir ainda mais exploração.

Outra grave questão é o Ajuste Fiscal promovido pelo governo, às custa dos trabalhadores. Mais parece um arrocho fiscal. É preciso que fique claro que o ajuste na verdade joga nas costas do trabalhador a recomposição do rombo nas contas públicas. O governo gastou mais do que poderia e o povo é que está pagando o pato. Aí, chegamos a outra contradição do governo. Por um lado, o governo faz discurso contra a terceirização e o PL 4330 (posição que apoiamos e é defendida pelo movimento sindical), mas por outro lado defende o corte de direitos trabalhistas e previdenciários através das medidas provisórias 664 e 665. Como pode ter duas posições tão distintas? É como se o governo tirasse uma faca do bucho do trabalhador e colocasse outra no lugar.

Por sinal, o movimento sindical e os trabalhadores estão muito decepcionados com os nossos deputados federais eleitos pela Bahia, que sempre discursaram a favor dos trabalhadores, mas votaram a favor das MP’s, que retiram direitos como o seguro desemprego, pensão por morte etc. Como os nossos camaradas puderam fazer isso? Além da perda da identidade política, o governo precisa enfrentar uma crise econômica que também tem penalizado o trabalhador. Somente no setor metalúrgicos são milhares de demissões e perda de direitos importantes principalmente nas montadoras instaladas em São Paulo e também em outros estados do eixo Sul/Sudeste. Aqui na Bahia, e particularmente em Camaçari, temos feito todos os esforços para garantir a manutenção do emprego e o avanço das conquistas. É uma luta diária. Por isso, o governo precisa se mobilizar para ajudar a restabelecer os postos de trabalho. O movimento sindical faz a sua parte, o trabalhador faz a sua parte e o governo precisa começar a fazer a sua também.

Ass: Julio B. Costa Filho 27/05/2015

Júlio Bonfim, presidente do Sindicato dos Metalúrgicos de Camaçari
Júlio Bonfim, presidente do Sindicato dos Metalúrgicos de Camaçari