Justiça considera ilegal greve dos professores de Lauro de Freitas

A greve dos professores da rede municipal de ensino de Lauro de Freitas foi considerada ilegal segundo liminar da Justiça, expedida nesta quinta-feira (28).

Os professores decretaram greve por tempo indeterminado no dia 18 de maio. De acordo com a Justiça, o governo já havia concedido o piso nacional, assim como a garantia de conquistas adquiridas pela categoria, tais como a manutenção da redução de horas, conforme Lei Municipal e as reformas do patrimônio escolar. Por isso, concluiu que a greve dos professores é um movimento ilegal.

Professores de Lauro de Freitas decretaram greve no dia 18 de maio (Foto: Divulgação/Asprolf)
Professores de Lauro de Freitas decretaram greve
no dia 18 de maio (Foto: Divulgação/Asprolf)

Contudo, o Coordenador Geral do Sindicato dos Trabalhadores em Educação de Lauro de Freitas (Asprolf), Valdir Silva, informou no dia do anúncio da greve que o principal motivo da mobilização era a falta de professor e auxiliar de classe nas escolas.

O sindicalista disse ainda que processos administrativos de promoções, licenças prêmio e licenças mestrado estão parados.

Por meio de nota, a Secretaria de Educação de Lauro de Freitas disse que a Justiça definiu que os professores de Lauro de Freitas devem retornar às salas de aulas no prazo de 24 horas, a partir desta quinta-feira, sob pena do pagamento de multa diária de R$ 10 mil. O réu já foi comunicado.

Fonte: G1