Trabalhadores da Ford de São Paulo entram em greve

Cerca de 4,3 mil funcionários da Ford em São Bernardo do Campo, no ABC paulista, entraram em greve por tempo indeterminado nesta quinta-feira (10), por causa de demissões, segundo o Sindicato dos Metalúrgicos do ABC.

ford_greve_smabc2

-Publicidade-
-Publicidade-

A entidade que representa os trabalhadores afirmou que cerca de 200 colaboradores receberam comunicados de dispensa na véspera, mas o número total ainda é incerto. Representantes da Ford não foram encontrados pelo G1.

Desde maio, 160 trabalhadores do local estão de lay-off (suspensão dos contratos). Além disso, outros 59 estão afastados atualmente em banco de horas, informou o sindicato.

Com a greve, a produção será afetada pouco antes de uma paralisação já programada pela Ford entre os dias 18 de setembro e 2 de outubro para a linha de caminhões, e de 21 a 25 de setembro para a linha de carros, que monta o Fiesta.
Na unidade de Camaçari (BA), que é responsável pela produção de Ka e EcoSport, 6.800 empregados terão férias coletivas entre 14 de setembro e 2 de outubro. A medida, segundo a Ford, pretende ajustar os níveis de produção à demanda do mercado.

Crise
De janeiro a agosto, 1.730.708 veículos saíram das fábricas instaladas no Brasil, um volume 16,9% menor do que no mesmo período de 2014. A queda na produção é resultado de medidas para reduzir o volume por causa da baixa nas vendas. Os licenciamentos caíram 23,9% em agosto, na comparação com o mesmo mês do ano passado.

Para frear a produção, as montadoras lançam mão de medidas como férias coletivas e lay-off, que é a suspensão temporária de contratos por até 5 meses. Segundo a Anfavea, 27,4 mil funcionários de montadoras estarão em férias coletivas ou lay-off no começo de setembro.

Em agosto, a indústria automotiva empregava 134.312 pessoas, quase 10% a menos que 1 ano antes e 1% a menos que em julho. O nível de emprego no setor continua o mais baixo desde 2012, que é de quando são os dados mais antigos, e revisados, da Anfavea.

Negociações
Recentemente, duas fabricantes voltaram atrás na decisão de fazer mais demissões. A Mercerdes-Benz cancelou 1.500 cortes na fábrica de São Bernardo do Campo, onde produz caminhões e ônibus.

A marca alemã foi a primeira montadora a optar pelo Plano de Proteção ao Emprego (PPE), do governo federal, que permite a redução de salários e da jornada de trabalho por até 1 ano, desde que a empresa comprove dificuldades financeiras e haja concordância dos funcionários.

A Volkswagen também desistiu de demitir 43 trabalhadores em Taubaté, onde produz o Up!, além de Gol e Voyage.
Fonte: G1