JAC Motors não deve mais construir fábrica em Camaçari

Depois do imbróglio gerado com as exigências da Desenbahia para a concessão do financiamento de R$ 120 milhões para a JAC Motors, a montadora chinesa anuncia que, agora, independentemente da liberação de recursos pela agência baiana de fomento, não há mais interesse do grupo em construir, no momento, uma fábrica no estado. A retração do setor automotivo no país seria o motivo para a suspensão do projeto, que envolve investimentos de R$ 1 bilhão.

650x375_jac-motors-na-bahia_1569264

“Não temos mais a intenção de tocar a fábrica na Bahia (em Camaçari), pelo menos não até o ano que vem, já que o setor não tem dado sinais de um nível de recuperação em 2016 que torne o empreendimento viável economicamente”, afirmou, nesta sexta-feira, 9, o diretor de Assuntos Corporativos da JAC Motors, Eduardo Pincigher.

Segundo Pincigher, assim como em outras montadoras, muitas concessionárias da empresa foram fechadas em todo o país. Em Salvador, há atualmente somente uma concessionária, no bairro do Caminho das Árvores.

A montadora, que chegou a alcançar 3 mil veículos comercializados no país em abril de 2011, vende em média hoje 400 carros por mês. “Uma demanda que, portanto, não justifica a entrada em operação de uma fábrica com capacidade de produção de 100 mil unidades por ano”, frisou Pincigher.

Incentivos mantidos

Por conta do projeto, que geraria 3.500 empregos diretos e 10 mil indiretos, a empresa passou a importar veículos e peças pelo Porto de Salvador, com incentivos fiscais que só foram suspensos pelo governo federal apenas em setembro do ano passado. Atualmente, a JAC ainda conta com isenção do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) para até 4.800 carros importados pela Bahia. “A quantidade já é considerada suficiente para atender a demanda atual do mercado”, explica Pincigher.

No estado, ainda são mantidos, por outro lado, incentivos relativos ao Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS). A Secretaria da Fazenda confirmou, em nota, que o protocolo prevê isenção do ICMS nessas operações, até a implantação da fábrica. “Caso a planta não seja implantada, de acordo com o protocolo, o estado fará a cobrança do imposto não recolhido”, ressalta.

A Secretaria da Fazenda ainda informou que a última importação de veículos pela JAC Motors aconteceu em agosto. Até então, as importações feitas pela empresa em 2015 somaram 3.299 veículos. Em agosto, só foram 140 veículos importados.

Novela antiga

Antes mesmo das exigências da Desenbahia para liberar o financiamento solicitado pelo grupo, as obras da fábrica — que deveria ser inaugurada no final de 2014 – ficaram comprometidas por três fatores apontados pela montadora: primeiro, as dificuldades para obtenção das licenças ambientais; depois, o excesso de chuvas no período das obras de terraplenagem; e, por último, a mudança na composição societário da JAC Brasil, com os chineses assumindo como majoritários, em relação ao grupo SHC, do empresário brasileiro Sérgio Habib.

O SHC explica que a JAC chinesa ainda estuda a implantação de uma fábrica de caminhões no Brasil. O projeto baiano é para fabricar automóveis de passeio.

Gestor do Cofic estranha razão alegada por montadora

O superintendente do Comitê de Fomento Industrial de Camaçari (Cofic), Mauro Pereira, estranhou a razão alegada pela JAC Motors para suspender o projeto de implantação da fábrica no município baiano. “Geralmente, as indústrias atuam sempre com uma visão de longo prazo”, disse Pereira.

Segundo ele, mesmo com a retração na economia brasileira, outras empresas mantiveram inalterados seus projetos de implantação de fábricas no Polo, a exemplo da SNF Flopan, que produz polímeros usados na cadeia de petróleo e tratamento de água, e a Tecsis, que fabrica pás para turbinas eólicas.
A Detén também está dando continuidade à expansão da unidade no complexo industrial baiano. A empresa é a única produtora no país de LAB, matéria-prima básica para a produção de detergentes biodegradáveis.

“Prioridade”
O secretário de Desenvolvimento Econômico de Camaçari, Djalma Machado, informou que a empresa já havia comunicado a suspensão temporária do projeto, desde a semana passada, tanto para a prefeitura, quanto para o governo estadual, em audiência na Secretaria Estadual de Desenvolvimento Econômico (SDE). “Realmente, eles nos alertaram para o cenário difícil para o setor, o que inviabilizaria a fábrica baiana por agora, mas, por outro lado, revelaram que a empresa ainda tem a Bahia como prioridade para seus investimentos futuros”, informou Machado, lembrando que a JAC Motors é hoje uma das maiores exportadoras da China. “É importante que a empresa mantenha mesmo o foco em nosso estado”.

Fonte: A Tarde