Dias D’Ávila realiza, neste sábado, ação educativa para combater o diabetes

Será realizada neste sábado, 14 de novembro, a ação educativa “Um alerta aos pés diabéticos”, de 8h às 18h, em frente ao Instituto Pé e Mão, no centro de Dias d’Ávila. Os profissionais da saúde vão fazer o prognóstico dos pés diabéticos, aferir a pressão arterial e conferir a glicemia da população gratuitamente. A campanha é uma iniciativa da Prefeitura de Dias d’Ávila por meio da Secretaria de Saúde do Município.

Diabética, dona Dadá cuida dos pés com  especialistas

-Publicidade-
-Publicidade-

O dia 14 de novembro é o Dia Mundial contra Diabetes. A data vem sendo utilizada como alerta para o aumento da incidência do diabetes e para divulgar informações que ajudem na prevenção e controle da doença. De acordo com o secretário de saúde de Dias d’Ávila Fabiano Ribeiro dos Santos, a informação sobre o diabetes é muito importante para que as pessoas conheçam a patologia e façam o tratamento adequado para evitar complicações como amputações relacionadas ao pé. “A diabetes é uma doença crônica não transmissível. A principal forma de combater esse tipo de doença é fazer a prevenção e a promoção da saúde”, explica o secretário.

A dona de casa Maria das Dores Santana Almeida, mais conhecida como Dadá, descobriu que é diabética há sete anos. Ela é portadora do diabetes tipo 1 e tem que tomar duas injeções diárias de insulina para controlar a doença. “Não sabia que o diabetes afetava também os pés. Tinha muitas dores nas unhas, meus pés ficavam com rachaduras horríveis. Iniciei o tratamento há quatro anos, hoje posso colocar sandálias abertas sem nenhum receio, a circulação melhorou muito. Tinha muito medo de amputar os pés”, recomenda dona Dadá.

A recomendação de Dadá faz sentido. Infecções ou problemas na circulação nos membros inferiores estão entre as complicações mais comuns em quem tem diabetes mal controlado. Calcula-se que metade dos pacientes com mais de 60 anos apresente o chamado “pé diabético”. Segundo o Ministério da Saúde, 70% das cirurgias para retirada de membros no Brasil têm como causa o diabetes mal controlado: são 55 mil amputações anuais.  Para a podóloga Edcléa Stutz, o alto índice de amputações deve-se à má alimentação e à falta de cuidados com os pés. “É essencial que os diabéticos entendam a função da podologia no tratamento contínuo de pés diabéticos. O primeiro passo é saber se a pessoa tem complicações nos pés. Por isso estamos realizando essa ação educativa para informar a população sobre os cuidados com os pés diabéticos”, relata a podóloga.

Fonte: ASCOM \ PMDD