Bebê morre ao cair no chão durante o parto

 

Um bebê morreu depois que cair no chão durante o parto, na manhã desta quinta-feira (9), em Feira de Santana. A mãe da criança, a dona de casa Patrícia dos Santos Silva, 29 anos, deu a luz enquanto estava de pé, no Posto de Saúde da Família do Limoeiro.

74857a9d36

Segundo o pai da criança, o eletricista Silvio Sena, 42, o bebê bateu com a cabeça no chão. Ele contou que há dois meses estava buscando internação para a esposa, depois que Patrícia foi diagnosticada com excesso de líquido amniótico e a gravidez passou a ser considerada de risco. Patrícia estava grávida de oito meses e esse seria o quarto filho do casal.

“A médica do posto recomendou a internamento por quatro vezes. Foram nove tentativas no Hospital Clériston Andrade, mas a resposta era sempre a mesma: que não tinha vaga. Eles mandavam a gente procurar outra unidade de saúde”, contou o eletricista.

Nesta quarta-feira (8), o casal esteve novamente na unidade. Patrícia fez um exame, mas foi mandada para casa. Sentindo muitas dores, a gestante tentou atendimento no Hospital da Mulher, onde também foi dispensada. O casal chegou em casa por volta das 3h.

Às 7h, as dores ainda não tinham passado e eles resolveram tentar atendimento mais uma vez. O casal seguiu para o posto de saúde do Limoeiro. A médica de plantão percebeu a gravidade do quadro e pediu uma ambulância, mas quando o veículo chegou o bebê já havia nascido. Silvio disse que vai prestar queixa na delegacia e processar o hospital por negligência.

“Eu e minha mulher vimos nosso filho morrer diante de nossos olhos. Tentaram reanimar ele por uns 20 minutos. Tudo o que a gente precisava era que eles retirassem o líquido que estava em excesso e ela aguentaria até os nove meses. Não precisava deixar ela internada. Por causa da falta de cuidado deles eu perdi meu filho e quase perdi minha mulher”, afirmou Silvio.

Para a TV Bahia a secretária Municipal de Saúde de Feira de Santana, Denise Mascarenhas, disse que vai pedir um relatório do posto de saúde e do Hospital da Mulher sobre o fato. A direção do Hospital Geral Clériston Andrade não comentou o caso e a Secretaria Estadual de Saúde informou que vai investigar a ocorrência.

Fonte: Correio