“Justa e equilibrada”, afirma advogado do caso Eva Luana sobre decisão de juiz

Eva Luana

 

O padrasto de Eva Luana, Thiago Oliveira Alves, 37 anos, foi condenado a 35 anos e 21 dias de reclusão em regime fechado e a um ano e três meses de detenção em regime aberto. Diante da decisão do Juiz Ricardo José Vieira de Santana, publicada nesta quarta-feira (14), o advogado do caso, Helder Matos, afirmou à reportagem da Nossa Metrópole que a sentença foi justa e equilibrada.

“A decisão condenatória foi justa e equilibrada. A pena foi bem aplicada, o juiz reconheceu algumas questões de prescrição e decadência, que inclusive nem sequer foram adentradas pela defesa, na instrução processual. O juiz reconheceu de forma justa, pois o magistrado me parece ser bem sensato e fez prova disso através de sua decisão, que posso intitular com irretocável”, ressalta.

Helder ainda destacou que a defesa não tem pretensão de recorrer da decisão. “Nós da assistência acusação estamos satisfeitos com o resultado da ação penal. Não temos a pretensão de recorrer da decisão. Vamos aceitar como justa. Não esperávamos muito além disso não. Realmente magistrado tomou uma decisão muito feliz”, conclui.

Condenado

 

 

Thiago Oliveira Alves, 37 anos. Foto: Reprodução

 

O ex-assessor técnico da Secretaria Municipal de Habitação de Camaçari, Thiago Oliveira Alves foi denunciado pelo Ministério Público do Estado da Bahia (MP-BA) à Justiça e teve a prisão preventiva decretada em fevereiro deste ano. Ele foi condenado pelos crimes de lesão corporal no âmbito da violência doméstica, tortura e estupro de vulnerável.

Conforme a delegada Florisbela da Rocha, titular da Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher (Deam) de Camaçari, Thiago negou que tenha cometido qualquer um dos crimes. O padrasto já está no sistema prisional. Segundo a Secretaria de Administração Penitenciária do Estado (Seap), ele foi encaminhado ao Centro de Observação Penal, em Salvador.