Comércio de Camaçari poderá reabrir a partir de 1º de julho, afirma prefeito Elinaldo

Fechado a cerca de 100 dias, o comércio não essencial de Camaçari poderá ser reaberto a partir de 1º de julho. A informação foi passada pelo prefeito Elinaldo Araújo (DEM) nesta sexta-feira (19), em coletiva de imprensa.

A flexibilização será divida em duas fases e dependerá da redução de ocupação dos leitos de UTI por pacientes da Covid-19. “Se tivermos 40% dos leitos de UTI vagos, a rede de saúde equilibrada, nós vamos iniciar esse protocolo do comércio”, afirmou Elinaldo.

-Publicidade-
-Publicidade-

Nesta quinta-feira (18), o município atingiu 100% de ocupação dos leitos de UTI por pacientes acometidos pelo novo coronavírus. Um contrato foi feito com o Hospital Santa Helena para a contratação de mais 10 leitos de UTI. Ainda nesta quinta, comerciantes fizeram manifestação no Centro da cidade declarando luto pelos mais de três meses de atividades suspensas.

“Eu tenho que abrir [o comércio] de maneira alicerçada”, falou o prefeito ao dizer que as medidas estão sendo tomadas com base na ciência e avaliações técnicas. “A principal pessoa incomodada com o comércio fechado de Camaçari é o prefeito”.

Junto com a reabertura, Elinaldo assegurou que está em análise a criação de um incentivo para as micro e pequenas empresas de Camaçari. Segundo o democrata, reuniões têm sido feitas com a ACEC, CDL e Sicomércio para alinhar as medidas.

Um novo decreto será publicado neste sábado (20), prorrogando o fechamento do comércio em toda cidade, tanto sede quanto orla, e o toque de recolher até o dia 30 de junho.

Exigências

Para que as lojas possam abrir, a prefeitura determinou alguns critérios: distanciamento de 2 metros entre clientes e funcionários; controle do número de pessoas dentro do espaço; ambientes ventilados e higienizados; tapetes ou toalhas nas portas com hipoclorito (água sanitária) para higienização dos sapatos; álcool gel para higienização das mãos; garantia de transporte alternativo para funcionários para evitar o uso do transporte público; remanejamento do expediente dos funcionários para evitar os horários de pico; entre outras.

Fases

Na primeira fase, a ideia é abrir os estabelecimentos ligados às áreas de saúde, beleza e estética, que vão funcionar das 8h às 13h. Esse grupo inclui as clínicas, academia, salões de beleza, barbearias e estúdios de tatuagem.

A segunda fase vai abarcar o comércio em geral, dividindo as atividades por tipos. O tipo 1 se refere ao setor de tecidos, armarinhos, floricultura, eletrodomésticos, informática, eletrônicos, móveis, artigos para festas, chocolates, bombonieres, tabacarias, bancas de jornais e revistas, e comércio de animais vivosque deverão abrir das 8h às 13h.

O tipo 2, vai funcionar das 13h às 18h, e se trata de lojas de vestuário, cama, mesa e banho, artigos esportivos, utilidades para o lar, calçados, bolsas e demais acessórios, cosméticos, perfumarias, joalherias e bijuterias.

A decisão também é direcionada aos ambulantes. Aqueles que não trabalham com produtos alimentícios poderão trabalhar das 7h às 14h e os que vendem alimentos, das 14h às 18h.

A fase três se refere a abertura de bares, restaurantes e afins, das 11h às 14h – mas poderão seguir com o serviço de delivery nos demais horários. Já o setor de prestação de serviços, vai atender o público das 9h às 16h.

Segundo Elinaldo, para que a flexibilização da abertura do comércio passe da primeira para a segunda fase o número de casos da Covid-19 em Camaçari não poderá aumentar mais de 5% durante sete dias seguidos e a taxa de ocupação dos leitos de UTI não deverá ultrapassar 60%.

Redação Nossa Metrópole