A partir de segunda-feira comerciantes de Camaçari devem se adequar ao protocolo de reabertura do comércio

Na próxima segunda-feira (27) o comércio não essencial de Camaçari começará a retomada gradativa das atividades. O protocolo de retomada da economia local prevê medidas de segurança para evitar a transmissão do novo coronavírus (Covid-19).

A decisão deve ser oficializada na sexta-feira (24), com a publicação de decreto no Diário Oficial do Município. Porém, a prefeitura já adiantou algumas exigências que deverão ser cumpridas:

-Publicidade-
-Publicidade-
  • Uso obrigatório de máscara;
  • Manter o distanciamento social (2 metros de distância);
  • Limpas e desinfectar ambientes com intervalo de 2 em 2 horas, explicitando os protocolos seguidos;
  • Monitorar a saúde dos empregados (aferição de temperatura superior a 37.8°C e testagem rápida) e também dos clientes, visitantes e fornecedores na entrada dos estabelecimentos;
  • Uso obrigatório e/ou disponibilização de limpa sapato, tapete ou toalha umidificada com hipoclorito de sódio a 2% para higienização e desinfecção de calçados na entrada do estabelecimento;
  • Intercalar e alternar horários de atendimento dos estabelecimentos (lojas de rua e centros comerciais e/ou por atividade econômica em até 3 turnos horários de entrada/saída diferenciados de modo a não sobrecarregar o transporte público de passageiros);
  • Priorizar reuniões por videoconferência;
  • Ampliar a divulgação, por meio de comunicados sistemáticos, instruindo prestadores de serviços e usuários/clientes sobre as normas de proteção em vigência no estabelecimento;
  • Disponibilizar álcool a 70% e álcool em gel a 70% para todos (clientes, colaboradores, fornecedores, visitantes);
  • Priorizar o afastamento, sem prejuízo de salários, de empregados pertencentes ao grupo de risco, tais como pessoas com idade acima de 60 (sessenta) anos, hipertensos, diabéticos e gestantes.

O plano foi apresentado pelo governo municipal a representantes da Associação Comercial Empresarial de Camaçari (ACEC), da Câmara de Dirigentes Lojistas de Camaçari (CDL), da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado da Bahia (Fecomércio-Ba), e da Federação das Câmaras de Dirigentes Lojistas do Estado da Bahia (FCDL-BA), tarde desta terça-feira.

Segundo o prefeito Elinaldo Araújo (DEM), a decisão de reabrir o comércio foi tomada com base nas recomendações apresentadas pelo Governo do Estado que, entre outros critérios, estipulou o máximo de 75% de ocupação dos leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI). O gestor também salientou que esta é uma estratégia construída de forma conjunta, com a participação de outras cidades da Região Metropolitana de Salvador (RMS). “Não adianta o comércio abrir em Camaçari e fechar em Simões Filho, por exemplo, porque quem mora lá vai acabar vindo pra cá. Por isso estamos agindo de maneira unificada, buscando garantir uma reabertura organizada e segura”, afirmou.

Conforme o secretário da Saúde, Luiz Duplat, o panorama da Covid-19 em Camaçari demonstra desaceleração dos contágios e o início de um cenário mais otimista.

Na expectativa da reabertura com responsabilidade e para evitar um novo fechamento, a vice-presidente da Fecomércio e presidente do Sicomércio de Camaçari e Região, Juranildes Araújo, acredita que é necessário os comerciantes ficarem atentos quanto o cumprimento das medidas protetivas para que a retomada das atividades seja segura para todos.

“Então, tudo isso, tem que de hoje até segunda-feira todos estarem atentos para ver as providências que têm que ser tomadas para poder abrir o comércio com sucesso, com paz, com alegria e com vontade de que essa abertura seja duradoura”, disse.

A fiscalização será encabeçada pela Secretaria dos Serviços Públicos (Sesp) em parceria com as polícias Militar e Civil. “Vou preparar a minha tropa, vamos nos debruçar sobre este plano estratégico e fazer com que ele se cumpra”, assegurou o tenente-coronel Gabriel Neto, do 12º Batalhão da Polícia Militar (BPM).

Comércio de Camaçari deve voltar a funcionar na próxima segunda (27); conheça os segmentos contemplados na primeira fase de flexibilização