Mulheres buscam espaço na Câmara de Vereadores de Camaçari; no último pleito nenhuma representante do sexo feminino foi eleita

As mulheres são 51,5% da população, segundo dados do Instituo Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), e apesar de serem maioria ainda não figuram em massa no campo político.

Conforme o Tribunal Superior Eleitoral (TSE), depois das eleições de 2016, as Câmara Municipais brasileiras passaram a contar com 8 mil vereadoras, o que representa apenas 12% de mulheres ocupando vagas nas casas legislativas municipais. O número de homens eleitos como vereadores foi de 57 mil.

Camaçari reflete essa realidade. No último pleito, nenhuma mulher foi eleita entre os 21 vereadores.

Cristiane Bacelar (Republicanos) e Fafá de Senhorinho (DEM) entraram na Câmara como suplentes, quando os vereadores Gilvan Souza (PSDB) e Falcão (Cidadania) foram licenciados para assumir as secretarias do Turismo e da Agricultura e Pesca, respectivamente.

Em 2020, elas devem concorrer novamente ao pleito e junto às duas se somam outros nomes como Rose Braga (Cidadania), Negra Magna (PSOL), Carluze Barper (PSDB), Fabiana Franco (PCdoB), dentre outros importantes nomes.

Dados de 2018 do Tribunal Regional Eleitoral (TRE-BA) revelam que dos 165.405 eleitores aptos a votar em Camaçari, 54,5% são do sexo feminino, sendo a maior parte das mulheres com idade entre 35 e 39 anos.

Da esquerda para a direita: Negra Magna, Rose Braga, Drª Cristiane Bacelar, Fafá de Senhorinho, Fabiana Franco e Carluze Barper.