Projeto Baú das Artes volta a Camaçari para formar professores da rede pública

Aprender brincando: essa é a missão do projeto Baú das Artes, que está de volta a Camaçari para formar 73 educadores da rede pública de ensino com o objetivo de desenvolver habilidades manuais e emocionais, formas de expressão, criatividade e socialização, com o uso de ferramentas ludo pedagógicas, beneficiando 1.783 crianças de 5 a 10 anos, do ensino fundamental I.

O projeto pedagógico do Baú das Artes é organizado a partir dos temas dos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN), estabelecidos pelo Ministério da Educação (MEC), como Meio Ambiente, Trabalho e Consumo, Sexualidade, Ética, Saúde e Pluralidade Cultural. Todo o conteúdo dos baús segue os princípios da Aprendizagem Baseada em Projetos (ABP), que busca envolver a criança em um ambiente de investigação e busca por solução de problemas, tornando-a protagonista de seu processo de aprendizagem e desenvolvimento.

-Publicidade-
-Publicidade-

Devido à pandemia do novo coronavírus, o projeto teve que se adaptar e a Oxiteno adotou a capacitação à distância. A primeira etapa das atividades, antes feita de maneira presencial, teve início no começo do segundo semestre de 2020, com a preparação dos educadores de maneira virtual.

Nas próximas semanas, será feita a entrega dos baús nas seis escolas participantes e os alunos poderão ter contato com o material assim que as aulas presenciais na região forem retomadas. A entrega dos baús é realizada por meio da Lei Federal de Incentivo à Cultura, da Secretaria Especial da Cultural do Ministério da Cidadania, que conta com o patrocínio da Oxiteno e é executado pela Evoluir, em parceria com a Secretaria de Educação de Camaçari.

“Para a Oxiteno, é uma honra contribuir pelo terceiro ano consecutivo com as escolas do município de Camaçari. Somente em 2019, o Baú das Artes beneficiou mais de 8 mil crianças, em diversas comunidades do entorno das nossas fábricas. Acreditamos que apenas por meio da educação se pode construir um futuro melhor”, afirma Daniel Falchetti, engenheiro sênior de desenvolvimento sustentável da Oxiteno.

O projeto é dividido em cinco principais etapas – acolhida tecnológica, doação do acervo, formação dos educadores, celebração e certificação dos participantes e avaliação – e foi adaptado para o ambiente online, por conta do isolamento social. Neste momento, os educadores estão recebendo os baús com os materiais e, na sequência, terá início o curso de formação continuada dos profissionais, que contará com três módulos, de agosto a novembro. Neste ano, as instituições que receberão as ações do projeto, em Camaçari, são: Escola Municipal Tomaz Camilo, Escola Municipal Barra de Jacuípe, Escola Municipal Alberto Ferreira Brandão, Centro Educacional Yolanda Pires, Centro Educacional Hidelbrando Lima Filho e Centro Educacional Barra do Pojuca.

Na acolhida tecnológica, serão apresentados os conteúdos exclusivos da capacitação, que ocorrerá virtualmente apenas com os professores contemplados pelo projeto. Os materiais digitalizados auxiliarão o professor no preparo e na execução das atividades remotas – durante a pandemia – e presencialmente, na sala de aula. Com isso, a intenção do Baú das Artes é fornecer respaldo aos professores da rede pública para facilitar o desafio do ensino à distância no período da pandemia, tendo em vista as dificuldades apresentadas pelos alunos para a participação no processo pedagógico.

Os baús são entregues recheados de materiais, como itens de teatro, objetos de jardinagem, higiene, esporte, alimentação e uma minibiblioteca com mais de 300 livros da ONG Evoluir e de editoras parceiras, que poderão ser trabalhados com os alunos em diferentes momentos, tornando as aulas mais prazerosas e o aprendizado mais dinâmico. O móvel traz, ainda, um projeto pedagógico com seis cadernos temáticos e o Manual do Educador, que auxilia os professores no uso do baú , detalhando como aplicar e conduzir cada uma das atividades propostas e indicando os conhecimentos, valores e competências que cada uma permite trabalhar, além de estar alinhado com o conteúdo curricular tradicional.

“Além de ser essencial na infância, o brincar é, também, uma importante ferramenta pedagógica para o desenvolvimento da criança. Além da abordagem lúdica do Baú das Artes, o aprendizado também visa a construção do raciocínio lógico, senso crítico e autonomia dos participantes. Nós acreditamos que a educação deve ter caráter integral, considerando os aspectos socioemocionais e buscando engajar a comunidade escolar de forma colaborativa e multidisciplinar”, afirma a coordenadora de projetos educacionais da Evoluir, Carla Costa.