Camaçari: prefeitura abre licitação para retomada de obras de construção de seis creches

Um processo licitatório foi aberto pela Prefeitura de Camaçari para a contratação de novas empresas que darão continuidade às obras de construção de seis creches no município. Os equipamentos estão localizados nos bairros Novo Horizonte, Verdes Horizontes, Jardim Limoeiro, na Avenida Industrial Urbana, na via de acesso ao Residencial Parque São Vicente e em Mutirão de Catu de Abrantes.

A concorrência pública foi anunciada pela Comissão Central Permanente de Licitação (Compel) no final de agosto.

A ordem de serviço para a construção das creches e pré-escolas foi assinada em outubro de 2018, ano que as obras iniciaram. A iniciativa representa um investimento inicial de quase R$ 17 milhões, verba oriunda do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb) e do tesouro municipal.

Conforme a prefeitura, a retomada da construção das seis novas creches e pré-escolas representará a oferta de mais 1.128 vagas para crianças de 1 a 5 anos de idade.

As empresas interessadas em concorrer neste processo licitatório devem acessar o Portal de Compras da Prefeitura de Camaçari e buscar por esta obra. Também é possível ir direto ao link referente à retomada das construções das creches e pré-escolas clicando AQUI. No portal, estão disponíveis o edital, o projeto básico e outros documentos. O evento de abertura da licitação está agendado para o dia 29 de setembro, às 9h, no auditório da Secretaria de Governo (prédio das persianas verdes), no Centro Administrativo de Camaçari.

Conforme a licitação, o serviço será dividido em três lotes, cada um com duas creches. A intenção é que sejam contratadas três empresas para que cada uma fique responsável por um lote.

“As novas construtoras terão a responsabilidade de concluir as obras a partir do que foi deixado pela primeira empresa vencedora da licitação, que por conta da crise financeira provocada pela pandemia da Covid-19, não teve condições de manter o trabalho e solicitou a suspensão do contrato no mês de junho”, afirma o governo.