Covid-19: Governo do Estado inicia desativação de leitos em Salvador e RMS

O Governo do Estado iniciou hoje (15) a desativação dos leitos clínicos e de Terapia Intensiva (UTI) em Salvador e na Região Metropolitana, destinados ao novo coronavírus (covid-19) e geridos pelo estado.

Segundo o governo, a decisão ocorre por conta das baixas taxas de ocupação de leitos e número de atendimentos na capital e RMS.

-Publicidade-
-Publicidade-

A primeira unidade a sofrer as modificações será o Hospital Ernesto Simões, que era um centro exclusivo para tratamento de covid-19 e será transformado para atendimentos não-covid. Os 30 leitos adicionais ficarão mantidos para tratamento de média e alta complexidade. Sendo assim, a unidade passa a funcionar com 55 leitos de UTI e mais 100 leitos clínicos.

O secretário estadual de Saúde, Fábio Vilas-Boas, afirma que espera que ocorra com o Ernesto Simões o mesmo que aconteceu com os hospitais do Subúrbio e Geral do Estado (HGE) e “fica permitido uma maior agilidade na fila da regulação”.

Os pacientes que estão internados no Ernesto Simões serão transferidos para o hospital de campanha da Arena Fonte Nova, que também sofrerá alterações. No estádio, os leitos de UTI serão reduzidos de 80 para 50 e os clínicos de 100 para 30.

O governador Rui Costa (PT) afirmou durante o Papo Correria desta quinta, que a expectativa é que continue acontecendo a redução para que possa “anunciar a desativação completa da Fonte Nova”.

Os nove leitos de UTI do Hospital Santa Clara serão desativados e a unidade funcionará apenas como retaguarda.  Ainda em Salvador, no bairro do Rio Vermelho, a unidade de pronto-atendimento que foi montada, onde funcionava o antigo colégio Nobel, para atender profissionais da saúde será completamente desativada.

O Hospital Alayde Costa continua funcionando e poderá ser transformado em UTI não-covid para atender pacientes com problemas renais crônicos, com o intuito de desafogar o Hospital Roberto Santos.

No Hospital Couto Maia, que possui 118 leitos, 10 leitos de UTI serão devolvidos para tratamento de outras doenças como raiva, leptospirose e turbeculose com HIV.

Na RMS, em Busca Vida, costa de Camaçari, o hospital Riverside será desativado e reformado para reabrir no início de 2021 como um hospital de cuidados prolongados. “São aqueles pacientes que são internados, operados, precisam de uma internação mais prolongada, um politraumatizado, alguém que teve um AVC ou um infarto”, explicou o secretário.

De acordo com Rui Costa, todos os equipamentos desativados serão armazenados e poderão ser reativados rapidamente, caso necessário, em até no máximo 72 horas. “Toda a infraestrutura e equipamentos estarão disponíveis para, se for necessário, reativar os leitos”, disse.