Bancada evangélica – Bispo Ary Dallas vai disputar vaga na Câmara de Vereadores de Camaçari

Se 2020 não fosse um ano total atípico, a essa altura a campanha eleitoral estaria fervendo em Camaçari. Ou seja, se não fosse o Coronavírus, estaríamos vivendo os  últimos dias da campanha.

Com as mudanças nos prazos eleitorais, só a partir do dia 27 de setembro (próximo domingo), começa oficialmente a campanha e propaganda eleitoral, inclusive na internet;

-Publicidade-
-Publicidade-

As eleições acontece em 15 de novembro (1º turno). Nesta data, os cidadão devem escolher seus candidatos para vereador e prefeito. E conquistar a confiança dos eleitores está cada vez mais difícil.

Um dos lídres evangélicos que vai encarar a disputa em Camaçari é o Ary Dallas Martins de Santana, bispo e presidente da Igreja Vale da Benção, em Camaçari, composta por mais de 1.500 membros.

Esposo de Naele Santana, filho de Arivaldo e Jacira Santana, pai de dois filhos, é teólogo, administrador técnico, psicanalista, bispo e presidente da Igreja Vale da Benção, em Camaçari, com mais de 1.500 membros.

Se eleito, Ary será mais um representante da comunidade evangélica na Câmara de Camaçari. Atualmente, Bispo Jair, VER. OZIEL e Pastor Neilton compõe a bancada evangélica no legislativo municipal.

Sendo o bispo, a decisão de disputar uma vaga na Câmara de Camaçari veio da necessidade de ser um agente transformador capaz de ajudar a superar a difícil realidade do povo camaçariense. “Eu não saberia fazer outra coisa, se não cuidar de vidas e ajudar na transformação de histórias”, diz.

Em tempos de crise, onde a mudança veio para muitos como uma surpresa negativa, o Bispo Ary Dallas pontua: “se não fosse a pandemia, nunca teria percebido que sou mais que um pastor. Que independente do tempo, vírus ou estar bem comigo mesmo, cuido de vidas com a responsabilidade que me foi entregue quando aceitei o primeiro projeto de Deus, o que fez também com que eu aceitasse ser pré-candidato a vereador, com a certeza de que Deus não me daria um segundo projeto, se eu não fizesse bem o primeiro”.

Redação Nossa Metrópole