Litoral Norte tem boom imobiliário em 2021

O crescimento do mercado imobiliário na Bahia anima corretores, imobiliárias, empresas de incorporação, notadamente da região do Litoral Norte, entre Salvador e o município de Jandira, na divisa com Sergipe, acompanhando a Estrada do Coco.

Os números positivos de 2021 para a área imobiliária no estado tem grande impacto com o movimento de ocupação acelerada do Litoral Norte, impulsionada pelas suas belezas naturais e com influência também da infraestrutura gerada por vias de acesso e posição geográfica de proximidade com a capital.

Neste contexto, a expansão movimenta não apenas o setor habitacional para os mais diversos públicos. Também a implantação de shoppins e outros empreendimentos para funcionamento dos variados serviços que atendam às necessidades da população que está se instalando nesta região.

Dentre os municípios que fazem parte do Litoral Norte, tem destaque esta região de Salvador, Lauro de Freitas e Camaçari, embora as demais cidades também estejam se beneficiando da procura por este pedaço da Bahia.

De acordo com o diretor administrativo da Ademi, Marcos Vieira Lima, a situação de pandemia foi o principal ingrediente para o aumento da procura por imóveis no Litoral Norte. “Com o avanço da doença veio a compreensão de que o problema não seria passageiro e começou a procura por imóveis residenciais e comerciais”, disse.

Vieira Lima destacou que diante desta perspectiva e da facilidade que muitas pessoas têm de trabalhar e estudar em casa, “foram compreendendo que poderiam, ou morar na ‘segunda casa’ (de praia) ou alugar imóveis nesta região”.

Outro fator que colaborou, na opinião do gestor, foi o compartilhamento da experiência, o que aumentou o interesse por terrenos e imóveis, que tiveram forte valorização.

Ele exemplificou dizendo que um village que antes da pandemia valia R$ 450 mil, foi vendido no início do ano passado por R$ 380 mil e em maio deste ano foi revendido por R$ 650 mil. “Cotado hoje por R$ 700, representa bem a valorização neste mercado, impulsionada também por uma maior procura do que oferta de imóveis novos e usados”.

Outro fenômeno que acontece no Litoral Norte é o investimento no lado esquerdo da Estrada do Coco, no sentido de Alagoas. Segundo Vieira Lima, em uma comparação generalizada, terrenos localizados no lado da praia custam em média entre R$ 1 milhão e R$ 4 milhões. Já no lado oposto, uma área de tamanho similar, tem variação média entre R$ 380 a R$ 500 mil.

Comércio e serviço

As transformações na área imobiliária estão atraindo profissionais liberais e autônomos de diversos segmentos, além de grandes redes, pequenos comércios, serviços nas áreas de saúde e educação.

Diretor da Grafico Empreendimentos Ltda, o engenheiro civil Carlos Henrique Passos enfatizou que a procura não é só de moradores de Salvador e região metropolitana. “Temos muitas pessoas de cidades distantes e até de outros estados que querem moradia nesta região, e também opção como casa de veraneio”.

Ele é diretor de Relações Institucionais do Sindicato da Indústria da Construção Civil (Sinduscom-BA), entidade que presidiu na gestão anterior e lembrou que no momento existe maior procura do que oferta de imóveis novos.

Neste aspecto, Passos citou levantamento da Câmara Brasileira de Construção, indicando que “antigamente a oferta supria 20 meses de venda e hoje o estoque dá para nove meses, o que favorece o aumento dos preços”.

Também o presidente da Associação Baiana de Supermercados (Abase), Humberto Souza, reforçou a chegada de novas unidades deste segmento comercial no Litoral Norte.

“Por enquanto a ocupação é mais presente até Mata de São João”, disse, salientando que a tendência é a chegada do aparato comercial depois dos moradores, que cobram esta estrutura de apoio para suas moradias.

Para ele, a partir de agora deve se intensificar esse movimento de Mata de São João para frente, “onde tem vários condomínios sendo construídos, pois o empresário enxerga a oportunidade onde surge a demanda”, concluiu.

Fonte: A Tarde