Baiano inventa forma de faturar no zap divulgando nudes da galera do bairro

“É como se fosse uma mistura de GMagazine e Playboy”. A explicação de Thalisson Cardoso, 27 anos, sobre suas publicações na função status do WhatsApp está tão antiga – as revistas de gente pelada já nem existem mais – como imprecisa. Funcionário de uma empresa de telemarketing, o morador do bairro de Vida Nova, em Lauro de Freitas, simplesmente criou uma novíssima maneira de interação nas redes sociais que, além de entreter o bairro e gente de toda a Região Metropolitana de Salvador, também tem lhe rendido recebidinhos, acertos informais de publicidade e até a fama de ser um conselheiro sexual (e amoroso) dos mais confiáveis.

E a confiança é mesmo um fator decisivo para tornar o ‘serviço’ de Thalisson possível: ele recebe nudes e vídeos picantes de pessoas anônimas (quase todas da região onde mora, conhecidas pessoal ou virtualmente) e, sem identificá-las, posta em seu status (espécie de stories) do zap.

-Publicidade-
-Publicidade-

A repercussão é grande: milhares chegam a ver seus posts e comentam, no privado, o que acharam da exposição de cada figura. Esse ‘retorno’ é então enviado a quem confiou o nude, e o ciclo se fecha. Sim, porque o moço não faz meio de campo pra ninguém. O que acontece em Vida Nova, fica em Vida Nova.

Segundo Thalisson, 80% do público é feminino, e são elas quem mandam mais fotos também – embora nem sempre explícitas. “Sou gay e sempre tive muita afinidade com as mulheres, que são a maior parte de minhas amizades. Com isso, ‘amigos’ acham que devo fazer as chamadas ‘pontes’, que seria apresentar as amiguinhas. E por ver as meninas no seu auge, só enxergam elas como um pedaço de carne a ser devorado. Prefiro não fazer coisas, eles bem sabem, e as meninas sabem disso também. E olhe que já me ofereceram até dinheiro pra passar contato, mas não passo”, conta ele, que vem construindo essa confiança desde 2017, quando o WhatsApp lançou a função.

“Começou na casa de uma amiga em Itapuã. Eu estava fazendo massagem nela, tirei a foto e postei no status. A partir dali, fui dando upgrade nas imagens e, com isso, a galera foi se jogando e perdendo a vergonha do seu corpo ao ler os comentários”, explica o rapaz, que criou uma rotina de postagens dos pintos, ppks e publis, hoje já assimilada por quem o segue e é seguido.

Fonte: Correio