Operação em Mata de São João vai limitar excursões de ônibus a favor do turismo sustentável

A Operação Verão, promovida pela Prefeitura de Mata de São João, por meio da Secretaria de Turismo, vai limitar o acesso de ônibus, mico-ônibus e vans em excursões para a vila de Santo Antônio nas localidades de Imbassaí e Praia do Forte. O objetivo é conseguir promover um turismo sustentável e regulamentar a atividade do guia turístico.

A ação teve início no último domingo (31), feriado de Finados, e conta com o apoio da Polícia Militar de Mata de São João, da Polícia Rodoviária, da Agerba, Singtur-BA, Conselho de Segurança de Imbassaí e Associação dos Comerciantes de Imbassaí.

“Nós reformamos a lei 832/2021 para disciplinar o ordenamento e fluxo de veículos para a região. O ônibus é ideal que venha por uma agência de turismo, que tenha um guia de turismo reconhecido pelo Ministério do Turismo, da categoria regional. Alguns ônibus vem de outros estados com categoria nacional, mas quando chegam na Bahia será obrigado por lei a contratar um guia regional do nosso estado”, explica o secretário de Turismo do município, Alexandre Rossi, em conversa com o grupo A TARDE.

Serão diversos critérios adotados e condições impostas às empresas que pretendem realizar o passeio para a região. Além de se encaixar no limite de excursões por fim de semana e garantir a contratação de um guia local, também terá que pagar para uma diária para estacionar o veículo.

“Vamos ter várias ações ao longo do verão. Além de aumentar o número de agentes de limpeza, vamos controlar o acesso de ônibus que chegam em Praia do Forte, Imbassaí e Santo Antônio […] Em Imbassaí, teremos limite de 10 ônibus por final de semana, com licença da Agerba, que hoje a maioria não tem. E terá que pedir autorização com 48 horas de antecedência, comprovar a presença de um guia turístico e também o pagamento da tarifa do estacionamento, que será de R$300 para ônibus, R$ 200 para micro-ônibus e R$ 100 para van”, relata.

Outras regras visam proteger o comércio local o meio ambiente.

“Queremos esse turismo sustentável e que também inclui ser inclusivo. Pessoas que vem para cá, temos barraqueiros que passaram dois anos de pandemia, se não fosse a Prefeitura com as cestas básicas…Aí reparamos que vinha pessoa de fora que até vendia cerveja. Então, se tiver garrafa no cooler, não entra. Não pode fazer fogo na praia, temos que ter um local aprazível, sustentável”, justifica.

Os fiscais vão permanecer na entrada de Praia do Forte, Imbassaí e Santo Antônio, onde será proibido a entrada de ônibus de porte grande, somente autorizada a passagem de vans.

O secretário conta que já existem agências de turismo regulamentadas e que o valor das taxas pagas à Prefeitura são revertidos diretamente para ações com fins de preservação ambiental. Entre outras iniciativas, destaca Rossi, já está em andamento o projeto “Carbono Zero”, que cobra dos produtores dos eventos da região, a compensação de carbono por meio do plantio de mudas de árvores.

“Este recurso vai todo destinado à sustentabilidade”, garante.

Fonte: A Tarde