Europa volta a ser epicentro da COVID-19

A Europa voltou a ser o epicentro da pandemia de Covid-19, o que levou alguns países a cogitarem o retorno dos impopulares lockdowns antes do Natal, e ampliou o debate sobre a capacidade de as vacinas sozinhas conseguirem domar o coronavírus.

O continente responde por mais da metade da média mundial de infecções nos últimos sete dias, de acordo com uma contagem da Reuters. O balanço recente representa os níveis mais altos desde abril do ano passado, quando o vírus começou a se alastrar na Itália.

-Publicidade-
-Publicidade-

Mortes e hospitalizações, no entanto, estão mais baixas que durante a primeira onda da pandemia no continente. Um sinal do avanço da vacinação.

Cerca de 65% da população do Espaço Econômico Europeu (EEE), que inclui União Europeia, Islândia, Liechtenstein e Noruega, recebeu duas doses, de acordo com dados da UE, mas o ritmo diminuiu nos últimos meses.

Uma combinação de fatores é apontada por virologistas e especialistas de saúde entrevistados pela agência Reuters como prováveis culpados pelo atual momento enfrentado pela Europa:

  • imunidade em queda entre os primeiros vacinados
  • relaxamento com máscaras e distanciamento com o fim das restrições durante o verão
  • baixa vacinação em alguns países

O relatório mais recente da Organização Mundial da Saúde (OMS) para a semana encerrada em 7 de novembro mostrou que a Europa, incluindo a Rússia, foi a única região a registrar um aumento de casos de 7%, enquanto outras áreas relataram declínios ou tendências de estabilização.

Fonte: G1