Homenagem ao ex-atleta ‘Fufa’ é prestada por amigos nesta quarta-feira (01)

Irlan Santana, mais conhecido como ‘Fufa’, ex-atleta camaçariense, veio a óbito na última terça-feira (30), causando grande comoção entre amigos, familiares e admiradores de seu trabalho e personalidade. Na manhã desta quarta (01), amigos do rapaz dirigiram-se à Praça Abrantes e realizaram uma pintura em homenagem ao legado deixado pelo mesmo.

Acompanhe mais detalhes aqui: luto-morre-fufa-atleta-camacariense-e-causa-comocao-nas-redes-sociais

Wesley Mota, 29 anos, amigo de Fufa há anos e representante do grupo “Piratas Urbanos”, decidiu realizar a pintura como forma de honrar o trabalho desenvolvido por Fufa. “Aqui na praça temos o passe livre para desenvolver nossa arte. Nesse muro em questão, por exemplo, era ele quem autorizava as pinturas, era ele quem pintava por cima de pichações aleatórias de outras pessoas. Tentava sempre manter tudo bonito, no mínimo. Por essa razão, nada melhor que fazermos um grafite aqui em homenagem a ele”, declarou.

Ainda segundo Wesley, a movimentação “#fufapresente”, que tem por objetivo renomear o Ralf de Esportes do local, é legítima. Desta forma, o movimento foi representado na pintura desenvolvida por ele. “Acho correto pela pessoa que ele era aqui nessa praça. Ele fazia as coisas acontecerem”, afirmou.

Kalundewa, de 42 anos, é artista camaçariense há mais de 20 anos, e autora da arte criada em homenagem à Fufa juntamente com Wesley. Em seu depoimento à redação da Revista Nossa Metrópole, a mesma declara que Fufa era o guardião da praça. “Essa é uma homenagem pelo homem que ele foi. Com certeza era o delegado dessa praça, o guardião. Ele reformava tudo, reunia a galera para pintar, desenvolver atividades, esportes radicais… Vai fazer muita falta”, afirmou.

A artista ressaltou também a importância de reconhecer o trabalho desempenhado por Fufa, além de salientar a relevância de ter espaço para expressão. “Os amigos e familiares estão se organizando para tentar homenagear ele através da atribuição do nome dele ao Ralf, porque ele representou a cidade de diversas formas e se foi de maneira trágica. Quero dizer também para os jovens que, caso sintam desconforto ou medo, não se calem, conversem com alguém”, finalizou.