Seduc dialoga sobre Sistema Próprio de Ensino da Educação Infantil

Com o intuito de garantir a revisão colaborativa do Sistema Próprio de Ensino da Educação Infantil, a Secretaria da Educação (Seduc) promove, esta semana, uma Ciranda de Ateliês – encontros propositivos com gestores e vice-gestores, professores, auxiliares de classe e coordenadores pedagógicos que atuam nas unidades que ofertam Educação Infantil (creches e pré-escolas), bem como familiares das crianças.

A Ciranda de Ateliês foi iniciada na terça-feira (7/11), reunindo o Grupo de Trabalho com Educadores (GTE) que trabalha com os bebês (crianças de 0 a 2 anos), e seguirá até esta quinta-feira (9/11), envolvendo os profissionais que atuam nas classes de crianças bem pequenas (2 e 3 anos) e crianças pequenas (4 e 5 anos).

Trata-se de um momento de escuta, alinhamento e levantamento de sugestões, com foco na sistematização colaborativa do Referencial Curricular da Educação Infantil que contemplará, entre outros, aspectos situacionais, concepções teórico-metodológicas e orientações para a organização do currículo dessa oferta, além da criação de cadernos pedagógicos, produção de vídeos ilustrativos de situações de aprendizagem como referência prática e diários de classe que darão suporte às práticas dos professores. Esse projeto inclui, também, a formação continuada dos profissionais que atuam na educação infantil ofertada pela rede municipal.

De acordo com a secretária da Educação, Neurilene Martins, essa etapa é de grande importância no processo de estruturação de um Sistema Próprio de Ensino para a Educação Infantil em Camaçari. “É um momento de diálogo e participação ativa dos pais e dos educadores na concepção de propostas para a melhoria progressiva do atendimento ofertado às crianças, por meio de um sistema feito sob medida para esta rede, com foco nas aprendizagens e no desenvolvimento integral dos nossos estudantes, desde os primeiros anos do ensino formal”, explicou.

A diretora de Planejamento, Gestão e Finanças da Seduc, Aylana Gazar, destacou a importância de dialogar com os profissionais da educação e com as famílias dos alunos sobre cada uma das propostas que compõem o projeto de estruturação do Sistema Próprio de Ensino. “São tópicos cuja implementação terá repercussões significativas nas dinâmicas de ensino-aprendizagem e ouvir os agentes envolvidos, os indivíduos que compõem a comunidade escolar, é indispensável”, afirmou.

Os participantes aprovaram a iniciativa, como é o caso da professora do Centro Integrado de Educação Infantil (Ciei) Phoc II, Delma Cunha, que também é mãe de um aluno da Educação Infantil na Rede Pública Municipal de Camaçari. “Foi muito importante pra mim, enquanto mãe e enquanto professora, participar desse momento de troca e ver a minha opinião sendo levada em consideração para a formulação de uma proposta, que busca promover melhorias, que vão dialogar com a minha atuação profissional e com o aprendizado do meu filho. É um movimento assertivo, pois é realmente necessário escutar quem faz parte desse processo”, avaliou.