Após estupro, menina de São Paulo consegue fazer aborto em Salvador

Uma menina de 14 anos, moradora de Guarulhos, na Grande São Paulo, precisou viajar até Salvador para conseguir realizar um aborto após ser estuprada pelo marido da sua vó. A história foi contada nesta quarta-feira, 19, pela Folha de São Paulo.

A mãe, uma mulher de 30 anos, só descobriu que a filha havia sido estuprada quando notou o aumento do volume abdominal. “Mãe, tem alguma coisa mexendo na minha barriga”, disse a menina, à época com 14 anos.

A gestação da menina foi interrompida com 31 semanas, seguindo a legislação atual que não restringe a idade gestacional do feto no momento do aborto. Na Câmara dos Deputados está tramitando o PL Antiaborto por Estupro, que propõe a criminalização do aborto após a 22 semanas de gestação para vítimas de estupro. Após a repercussão negativa, a urgência da tramitação foi retirada.

Dificuldades em São Paulo

Conforme o relato da mãe, a sua filha mais velha sempre ia passar o fim de semana na casa da vó, que tinha um marido com quem mantinha um relacionamento há mais de 15 anos.

“Minha filha nunca se queixou de nada, mas, de repente, mudou de comportamento. Ela sempre foi uma menina amorosa. Com 14 anos, ainda brincava de boneca com a irmã menor, cuidava do caçula. Nunca foi a baladas, não bebe, não fuma e sai sozinha. É uma menina de casa mesmo. De repente, ela se fechou, ficou grosseira, gritava, parecia outra pessoa. Eu tentava conversar com ela, saber o que estava acontecendo, mas ela me evitava. Como ela sempre usava roupas largas, camisetonas, demorei a perceber mudanças no corpo dela”, relatou.

A descoberta só aconteceu em novembro do ano passado, quando a mãe desconfiou de uma possível gravidez. Confrontada, a menina contou que meses antes tinha sido abusada pelo marido da vó. O criminoso cometeu o ato quando a vó da menina saiu pra trabalhar. Além disso, ele ameaçou matar as duas caso ela contasse sobre o abuso.

“No dia que descobri, fui até a casa da minha mãe e contei para ela. Minha mãe, que tem problema de coração, desmaiou na hora. O criminoso já tinha saído da casa da minha mãe e levado as coisas dele. No mesmo dia, ele ligou para minha mãe, confessou tudo, pediu desculpas, disse que ia se entregar. Mas, claro, sumiu.”

A tarde