Ferries gregos já estão na Bahia e podem começar a operar em 20 dias

Foi um parto: mais de nove meses de espera e, finalmente, ontem, os baianos puderam comemorar a chegada dos novos ferries gregos que irão compor o sistema de travessia entre Salvador e a Ilha de Itaparica. Vieram com um jeitão de autêntico “presente de grego”, com ferrugens aparentes, como quem já tinha anos de rodagem, mas a garantia do governo do estado é de que são novinhos em folha e já começam a ser utilizados dentro de 20 dias.

Ferries apresentam marcas de ferrugem e vão para o estaleiro (Foto: Almiro Lopes)
Ferries apresentam marcas de ferrugem e vão para o estaleiro
(Foto: Almiro Lopes)

Quem chegou mais rápido foi justamente a embarcação que homenageia o compositor que tinha a preguiça como um dos traços da personalidade: Dorival Caymmi. Ele deu o ar da graça antes do Zumbi dos Palmares, nome do segundo novo ferry. As duas embarcações juntas vão comportar cerca de 350 veículos e até 3.100 passageiros.

Antes de começar a rodar, ainda serão nacionalizadas (a documentação será apresentada à Marinha) e irão passar por vistorias. Após isso, começam  as operação assistidas, que vão  durar 120 dias  – uma tripulação grega irá orientar os tripulantes locais.

Previsto para o Verão passado, o ferry boat Dorival Caymmi demorou, mas chegou para fazer a travessia Salvador-Itaparica. Veio da Grécia, junto com o ferry Zumbi dos Palmares (Foto: Almiro Lopes)
Previsto para o Verão passado, o ferry boat Dorival Caymmi demorou, mas chegou para fazer a travessia Salvador-Itaparica. Veio da Grécia, junto com o ferry Zumbi dos Palmares
(Foto: Almiro Lopes)

“Serão quatro meses que a tripulação (estrangeira) vai ficar trabalhando com as tripulações brasileiras, para não ter problema nenhum, já que são equipamentos novos. Não oferece nenhum risco à população”, afirma Eduardo Pessôa, diretor executivo da Agerba, confirmando que o transporte poderá ser utilizado já em setembro.

Serão três inspeções: controle dos portos, vistoria aduaneira, realizada pela Receita Federal,  e da vigilância sanitária, a ser feita pela Anvisa. Os barcos mais rápidos e modernos devem fazer a travessia em apenas 35 minutos, 10  a menos do que os ferries que navegam mais rápido hoje, o Anna Nery e o Ivete Sangalo. Como o Dorival e o Zumbi também são maiores, os terminais precisaram passar por adaptações, que já foram concluídas.

Com algumas ferrugens aparentes, assim como o Dorival Caymmi, o Zumbi dos Palmares atracou depois (Foto: Almiro Lopes)
Com algumas ferrugens aparentes, assim como o Dorival Caymmi, o Zumbi dos Palmares atracou depois
(Foto: Almiro Lopes)

Durante a fase assistida, as embarcações já estarão sob responsabilidade da Internacional Marítima, empresa que opera o sistema atualmente. Para o governador Jaques Wagner, a rapidez das novas embarcações vai contribuir quando houver maior demanda do sistema, como nos feriados.

“São ferries maiores, mais rápidos, melhor para passageiros e veículos”, afirmou. Segundo o governador, os novos ferries vão oferecer melhores condições até que a ponte Salvador-Itaparica fique pronta. “Vamos ter uma condição bem melhor até que a saída definitiva aconteça, que é a ponte, uma obra que deve ficar pronta em 2018”.

Fonte: Correio 24 Horas