Greve de médicos peritos do INSS completa dois meses

A greve dos médicos peritos do INSS completou dois meses e não há previsão de acordo com o governo. Nas contas dos grevistas, quase 1 milhão de perícias já foram canceladas e agora os exames estão sendo remarcados só para o ano que vem. Isso se a greve acabar. Pelo menos, 70% dos atendimentos não foram realizados nesse período, então, quem precisa voltar a trabalhar, se aposentar ou receber auxilio- doença poderá ter que aguardar até o ano que vem.

JANE_imagem7

O INSS calcula que o tempo médio de espera para agendar uma perícia passou de 20 dias, antes da greve, para 49 dias. A principal reivindicação dos médicos peritos grevistas é a redução da jornada de trabalho, de 40 para 30 horas por semana, e ainda um reajuste de 27,5% nos salários.

“O governo não ofereceu nada. O que nós estamos fazendo é cumprindo os 30% de atendimento, de perícia, mas mesmo assim o número de perícias que os peritos estão fazendo é baixo por problemas administrativos também”, defende Alexandre da Silva Bellizzi, da Associação Nacional dos Médicos Peritos.

O ministério do Planejamento informou que está empenhado em encontrar uma solução. E que os pedidos dos grevistas estão sendo analisados pelo governo. O INSS tem cerca de 4 mil médicos peritos. O salário inicial é de R$ 11 mil e chega a R$ 16 mil no final da carreira.

O instituto informou que suspendeu o desconto no pagamento dos dias parados depois que o Superior Tribunal de Justiça concedeu liminar aos grevistas proibindo o corte do ponto. Em São Paulo, perícias também estão sendo reagendadas para janeiro.

Fonte: G1